terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Substitutos veganos para o Bepantol

O Bepantol é considerado um produto muito versátil, já que tem multifunções como hidratar pele, cabelos, cutículas e lábios, além de possuir a versão "baby" para bebês. Porém o Bepantol pertence à Bayer, empresa que faz testes em animais. Além disso, a composição de ambos (versão solução e pomada) é composta por ingredientes de origem animal como a lanolina, e ingredientes nada saudáveis que só "enchem linguiça" como parabenos, parafina e óleo mineral, conhecidos por não hidratar a pele, mas apenas mascarar os efeitos.

Uma pesquisa mais detalhada na composição mostra que os ingredientes ativos podem ser facilmente encontrados, possuindo alternativas cruelty free sem nenhum ingrediente de origem animal, e muitas vezes, até mais em conta. Para cada uma das funções, indiquei opções veganas.


1. Hidratação de cabelo


Dexpantenol puro

O ingrediente ativo capaz de fazer uma hidratação capilar poderosa é a vitamina B5, também chamada de panthenol ou dexpantenol. Essa vitamina pode ser encontrada em alimentos de origem animal ou vegetal, como o abacate, verduras, grãos etc. A concentração do Bepantol é de aproximadamente 5%. É possível comprar o dexpantenol puro e misturá-lo em uma máscara de sua preferência ou em shampoos, leave in etc. para obter os mesmos resultados que o Bepantol no cabelo. De acordo com o SAC das lojas Sabão e Glicerina e Engetec, o produto não é de origem animal.

Onde comprar: Sabão e Glicerina, Engenharia das essências


2. Hidratação de pés, joelhos, cotovelos, lábios e cutículas

Manteiga de karité pura

Já falei da manteiga de karité pura nesse post contanto como ela tem poder de hidratação e reparação de lábios ressecados. No corpo o poder de hidratação também é alto. A dica para não ficar melecado é aplicar a manteiga em partes do corpo muito ressecadas, como joelhos, cotovelos e cutículas e depois secar com um toalha para retirar o excesso. 

Onde comprar: Sabão e Glicerina, Engetec

Uma outra opção para cutículas é a cera nutritiva da Granado: 

Cera nutritiva para unhas e cutículas da Granado

3. Pomada para tatuagens


Apesar de muitas pessoas usarem, a maioria dos tatuadores não recomenda o bepantol para uso na cicatrização de tatuagens por conter óleo mineral e parafina. Indica-se o uso de produtos específicos para tal. A MBoah oferece produtos veganos para os cuidados pós tatuagens e piercings.


Onde Comprar: MBoah  e algumas farmácias.


4. Pós Depilação

Para uso no pós depilatório, alguns recomendam a pomada bepantol. No entanto, basta um produto que seja anti-inflamatório e ajude a hidratar bem a pele, composta por aloe vera, óleos vegetais e vitamina E, por exemplo.

Óleo Cicatrizante Pós depilação (ou pós Barba)
Pós Depilação da Sal da Terra

Onde comprar: Sal da Terra

Gel de Aloe Vera e Calêndula

Onde comprar: Schraiber, Natue

Pedra Hume (alúmen de potássio)



A pedra hume ou alúmen de potássio, além de servir como um excelente desodorante, age como antisséptico em caso de cortes e feridas após a depilação.



5. Antiassaduras

Creme preventivo de assaduras da Vyvedas


Esse creme da Vyvedas também substitui o famoso Hipoglós (que também é testado em animais e possui uma série de tranqueiras além de lanolina e óleo de bacalhau). Pela composição, nota-se a presença dos mesmos ingredientes ativos como óxido de zinco, óleo de amêndoas e de calêndula, manteiga de karité e vitamina E.



Creme contra assaduras da Granado


O creme contra assaduras da Granado também é vegano e conta com basicamente os mesmos ingredientes ativos do Hipoglós, como óleo de amêndoas, óxido de zinco e vitaminas A e D.

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Resposta às falácias de quem defende testes em animais


Uma leitora me enviou o link de uma blogueira que escreveu um post defendendo o uso de produtos testados em animais. Como o texto estava recheado de clichês e vários argumentos ingênuos que infelizmente convencem muitas pessoas, resolvi fazer um post com a minha réplica.

Confesso que eu já acompanhei esse tipo de blog no passado, mas hoje eu não consigo mais acessar e dar ibope para tanta coisa fútil e ver a alienação dos leitores. É lamentável que blogueiras como elas, com mais de 100 mil fãs, façam posts divulgando casacos de pele, defendendo testes em animais etc. É incrível o poder que elas tem de formar opinião. Seria porque elas falam o que as pessoas gostariam de ouvir? Essas pessoas não só defendem maus tratos contra animais, como o nível da argumentação é baixíssimo, tanto das blogueiras quanto dos que comentam! Parece discussão de sites de notícias como Yahoo!

Torço para que surjam mais blogs sobre veganismo e direitos dos animais!

Eu li um texto muito interessante de um cara que o Fábio Chaves (fundador do site Vista-se) compartilhou no Facebook dizendo: "o que mais tem por aí é gente que acha que os outros são hipócritas porque teve o primeiro contato com um assunto, analisou as coisas com a superficialidade de uma ameba e se achou o Sherlock Holmes da contradição ideológica. O tema de libertação animal é um prato cheio pra encontrar gente desse tipo. As pessoas pensam por 5 minutos sobre libertação animal, se acham o gênio que vai ter uma ideia inédita e fantástica que derrubará toda a lógica defendida há décadas pelos ativistas". Esse pensamento descreve muito bem a situação. As pessoas tratam o veganismo e o direito dos animais como se fosse um assunto recém-criado e seus ideólogos não soubessem o que defendem.

Tendo dito isso, meus comentários sobre o post da blogueira são:

1) A enorme maioria das pessoas que dizem que "tu-do" já foi testado um dia e chama os veganos de hipócritas, acha que defendemos a ideologia de pureza, de que não podemos usar nada que já foi testado um dia. Para elas, se somos 98% veganos, somos hipócritas. Essas pessoas defendem que "se não podemos fazer tudo, o melhor é não fazer nada", ou seja, se não podemos proteger 100% dos animais o tempo todo, o mais correto então é matá-los e explorá-los indiscriminadamente para não sermos hipócritas.

Veganos não defendem que se mude o passado. Defendemos a mudança no presente e no futuro. Se produtos foram testados em animais no passado, paciência. Não há nada a fazer quanto a isso a não ser aprendermos a lição para não repetirmos no presente e no futuro os erros do passado. Lutamos para que a realidade dos animais de laboratório mude a partir de agora. Passado é passado, não dá pra mudar.

De acordo com a lógica defendida por ela, se alguém for contra a escravidão não deveria visitar cidades construídas por escravos (Ouro Preto, Tiradentes etc). Ou pior, seria como supor que devemos ter escravos HOJE porque no PASSADO várias coisas foram construídas através de mão de obra escrava.

Desfrutamos de várias coisas que um dia já foram fruto de crueldade com humanos. Mas isso não nos torna cúmplices das atrocidades passadas. O mesmo se aplica aos testes em animais. Se hoje desfrutamos de cosméticos que possuem ingredientes que passaram por testes em animais no passado, devemos lutar para que HOJE não se faça mais testes. E uma das formas de lutar é o boicote às empresas que ainda fazem testes. Não é se sujeitando a usar produtos dessas empresas, alegando que tu-do já foi testado, que mudaremos a realidade do presente e do futuro. O projeto de lei que tramita na câmara e aguarda a sanção do governador de São Paulo não existiria se a mentalidade da sociedade fosse: "já que tudo foi testado um dia, não tem como mudar a realidade". A sociedade é responsável por manifestar a insatisfação e cobrar atitudes das autoridades. Quando as leis em defesa dos animais são frouxas ou inexistentes, a mudança deve vir da sociedade. É muito cômodo esperar que as empresas e o governo tomem alguma providência, enquanto não se faz nada para mudar a realidade.   


2) Ela defende que não pode restringir o blog a produtos cruelty free, pois dessa forma não conseguiria se sustentar e pagar as contas. É a mesma desculpa usada por carroceiros que exploram cavalos, açougueiros, pecuaristas e até mesmo traficantes de drogas.

Argumentar que explorar animais não é errado quando se faz isso por sobrevivência é um dos piores argumentos que eu já vi, ainda mais quando "sobrevivência" significa viver de blog que divulga cosméticos. 99,9999% das pessoas que exploram animais o fazem para ganhar dinheiro e sobreviver! O dono do circo usa elefantes pra que? Pra ganhar dinheiro!


3) Mas por que essa blogueira defende tão avidamente os testes em animais? Porque veganos são hipócritas? Porque TU-DO é testado? Não. Ela entregou o verdadeiro motivo ao dizer "Outro ponto importante, é que este é o meu trabalho. Meu trabalho é testar produtos de beleza e eu não tenho condições de ficar restringindo meu acervo com marca x,y,z… É muito fácil falar se você não depende disso pra pagar suas contas". Uma blogueira que ganha dinheiro em cima de empresas que fazem testes em animais não pode escrever um texto contra os testes, ora! É o ganha-pão dela. É tão absurdo como esperar que o dono da Friboi fosse a favor do vegetarianismo e fizesse uma propaganda sendo a favor da dieta vegetariana. Como um canal de TV que é patrocinado pela Itambé, Sadia e Friboi poderia fazer propaganda contra a exploração de animais por empresas? Obviamente os patrocinadores ficariam bastante insatisfeitos caso isso ocorresse. O mesmo acontece com essa blogueira. Se ela escrever um texto atacando empresas que fazem testes, ela não vai receber patrocínio da Neutrogena. Ela defende os próprios interesses, ou melhor, ela quer continuar ganhando DINHEIRO, e se pra isso for necessário machucar animais indiretamente, que seja!


4) "Não consigo parar de comer carne, mas respeitem a minha opinião! O mundo nunca vai deixar de explorar animais"

Essa é uma prova de como o nível da argumentação dela é sofrível. É um dos argumentos mais rasteiros para defender a exploração de animais. Até quando vamos ver as pessoas achando que deixar de comer carne pelos animais é questão de opinião? Como escrevi na aba "FAQ veganismo", de um ponto de vista ético, as ações que prejudicam outros não são questões de escolha pessoal. O assassinato, o estupro, o abuso de crianças e a crueldade para com os animais são atitudes imorais. Nossa sociedade incentiva hoje o hábito de comer carne e a crueldade nas unidades de criação de animais, mas a história nos ensina que esta mesma sociedade um dia encorajou a escravidão, o trabalho infantil e muitas outras práticas agora universalmente reconhecidas como imorais.

Comer carne nos dias de hoje não é questão de necessidade. A partir do momento que sabemos que os nutrientes podem ser perfeitamente supridos com uma dieta vegana (com aval do Conselho Regional de Nutrição e vários orgãos internacionais de nutrição), quem come carne hoje, o faz porque sente prazer em saborear.

Fica então a questão: temos o direito de machucar outros seres por prazer? Por que pedofilia não é uma mera questão de escolha pessoal mas matar animais para sentir um gostinho bom ou para ter cílios mais volumosos seria?

O mundo um dia vai ser livre de corrupção, por exemplo? Não sei, mas isso não nos impede de lutarmos contra a corrupção e de nos indignarmos quando mais um escândalo é divulgado. Ninguém usaria um argumento desse para justificar a corrupção, então por que ele seria válido para justificar a exploração de animais?

Dizer que o mundo nunca vai mudar 1 dia depois de SP conseguir a proibição dos testes em animais é dureza, né?

5) "Não adianta pintar um mundinho cor de rosa onde você vai deixar de usar tudo o que testa em animais, pelo simples fato de que TUDO É TESTADO, não entendo o porquê dessa fixação e concentração de energias na indústria cosmética. A tinta do mouse que eu estou usando nesse momento já passou por teste em animal, gente!"

Defender a estagnação da ética só porque a blogueira em questão ganha com isso? Ela acha que o mundo não precisa mudar, principalmente em relação a questões envolvendo a fonte de renda dela ou prazeres fúteis derivados da exploração de animais. É muito fácil nós, brasileiros, sermos contra touradas na Espanha ou matança de golfinhos no Japão, por exemplo, afinal quem aqui come golfinho ou vai à touradas? Aí é fácil ser contra, já que a nossa vida não será afetada caso essas práticas sejam extintas. Mas quando falamos sobre a extinção da pecuária ou dos testes em animais, o povo aqui fica todo agitado e todos começam a inventar mil e uma desculpas para defender porque essas práticas devem ser mantidas, afinal nós aqui nos beneficiamos desse tipo de exploração.


6) "Os testes em animais são benéficos aos seres humanos"

Podem existir benefícios que não seriam obtidos sem a exploração de animais? Sem dúvida. Do mesmo modo que estamos perdendo inúmeros benefícios pelo fato de considerarmos inaceitável toda e qualquer vivissecção humana para começo de conversa. Já pensaram na possibilidade de Hitler ter vencido a Segunda Guerra Mundial? Seria bastante provável que as técnicas cirúrgicas fossem muito mais eficientes do que as que atualmente dispomos. Sem contar que não haveria fila de transplantes de órgãos. Não seria um mundo ideal, pelo menos para quem tivesse a fortuna de ser ariano?

Certamente um humano seria o modelo ideal para a produção de medicamentos e técnicas cirúrgicas, por exemplo. Por que abrimos mão desses resultados? Ética, pura e simples. Não há outro motivo.

E se não é ético testar em humanos, mesmo que os resultados científicos sejam interessantíssimos e várias pessoas se beneficiariam desses resultados, por que se torna ético testar em animais? 

Como testar em humanos não é ético, os cientistas pensaram em um método substitutivo: os animais. Basta portanto que haja interesse da sociedade para que os cientistas criem um método substitutivo. Não estamos propondo a estagnação da ciência. Queremos que os cientistas avancem e criem modelos que não utilizem animais.

Sobre a questão dos testes serem "um mal necessário", falei mais sobre isso nesse link.


Essa imagem resume bem o texto da blogueira:

Gênios!

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Protetores solares veganos para peles oleosas


Antes de citar algumas opções veganas, considerei importante explicar a diferença entre os tipos de proteção solar.

O filtro solar tem a função de bloquear os raios UVA, que alcançam a derme (camada interna da pele) e é responsável por deixar a pele bronzeada, e os raios UVB, que atingem a epiderme (a mais externa) e é responsável por deixar a pele avermelhada e auxilia na fabricação da vitamina D. Dependendo da formulação do protetor solar, o bloqueio se dá por meio de uma barreira física (refletindo os raios) ou por atuação química (absorvendo a energia solar e dispersando parte dos raios).

Normalmente os filtros solares com barreira física são mais indicados para crianças, pessoas alérgicas e grávidas devido à ausência de substâncias químicas que entram na circulação sanguínea. Os ingredientes que fazem essa barreira são óxidos inorgânicos como o óxido de ferro (iron oxide) e o dióxido de titânio (titanium dioxide). É muito comum que algumas maquiagens (base e pó facial) possuam esses ingredientes, principalmente as maquiagens minerais.

Os ingredientes que fazem a barreira química são normalmente: Benzofenona 3, Butil-Metoxi- Octildimetil PABA, Gliceril dibenzoil-metano PABA e PABA (ácido p-aminobenzóico). Geralmente oferecem maior proteção aos raios solares e devem ser aplicados 20 minutos antes da exposição. A concentração desses ingredientes deve ser regulamentada já que podem apresentar certo nível de toxicidade ao entrar em contato com a corrente sanguínea. Fonte: http://www.scielo.br/pdf/qn/v30n1/26.pdf


FDA-Approved Sunscreens
Active Ingredient/UV Filter NameRange Covered
UVA1: 340-400 nm
UVA2: 320-340 nm
UVB: 290-320 nm
Barreira Química:
Aminobenzoic acid (PABA)UVB
AvobenzoneUVA1
CinoxateUVB
DioxybenzoneUVB, UVA2
Ecamsule (Mexoryl SX)UVA2
Ensulizole (Phenylbenzimiazole Sulfonic Acid)UVB
HomosalateUVB
Meradimate (Menthyl Anthranilate)UVA2
OctocryleneUVB
Octinoxate (Octyl Methoxycinnamate)UVB
Octisalate ( Octyl Salicylate)UVB
OxybenzoneUVB, UVA2
Padimate OUVB
SulisobenzoneUVB, UVA2
Trolamine SalicylateUVB
Barreira Física:
Titanium DioxideUVB, UVA2
Zinc OxideUVB,UVA2, UVA1

Em peles oleosas, não é recomendável usar o protetor solar corporal no rosto. Geralmente esses produtos possuem substâncias comedogênicas, já que podem aumentar a oleosidade e obstruir os poros, podendo produzir cravos e espinhas. Nesse caso, é preferível usar um protetor solar corporal e um outro protetor solar facial específico para peles oleosas.

Pessoalmente, eu prefiro um protetor solar em pó (solto ou compacto), porque além de geralmente possuir poucos ingredientes na formulação, é muito mais prático poder reaplicar ao longo do dia em cima da maquiagem. Quem preferir BB creams, aqui eu cito alguns que possuem fator de proteção solar.

Apesar de muitas marcas acessíveis na farmácia como Roc, Stiefel, Spectraban, La Roche-Posay, Neutrogena, Johnsons e Nivea testarem em animais, os produtos que eu cito a seguir são algumas opções de protetores solares veganos adequados a peles oleosas:


1. Avène - Emulsão Toque Seco FPS 30 ou 50
É um filtro solar com cor, ou seja, funciona como base também. Indicado para peles oleosas, com acne e sensíveis, já que possui água termal e ingredientes para matificar a pele. Custa R$60 na Dafiti, Kutiz, Onofre ou em farmácias. 

ATUALIZAÇÃO: A AVÈNE COMEÇOU A TESTAR NA CHINA!!

2. Farmax - Pasta d'água
A pasta d'água contém 25% de óxido de zinco, o qual é responsável por fazer uma barreira física na pele. Possui textura grossa, mas é possível misturá-la com uma base antes de aplicar na pele, ou aplicar diretamente no rosto com um hidratante ou óleo vegetal, como explicado aqui. Se aplicado em pouca quantidade, deixa a pele opaca e livre de oleosidade. Custa em torno de R$5 em farmácias.
Obs: segundo o SAC, os produtos da Farmax não são testados em animais e a glicerina utilizada pela empresa é de origem vegetal.

3. Adcos - Pó compacto tonalizante com FPS30
Tem em várias tonalidades e o translúcido. Custa cerca de R$ 90. Ele tem um cheiro de maquiagem de vó, tipo um pancake da Payot. 
Obs: Quanto aos outros protetores da marca, é necessário ler a composição de cada um. A leitora Letícia Rocha deu a dica dos ingredientes de origem animal utilizados pela Adcos, segundo resposta do SAC: Colágeno natural solúvel, Hidrolisado de elastina (solastin EPH), Cera de abelhas, Massa animal de sabonete (adeps bovis, olus oil e sodium hydroxide).

4. Ada Tina - Normalize Matte com FPS25 ou 50
Possui textura leve e deixa a pele sem oleosidade por tempo prolongado e portanto é indicado para quem possui pele mista, oleosa ou com tendência a acne. Custa R$74 e é vendido na loja virtual da marca, na Época e na Kutiz.

5. Forever Living - Aloe Sunscreen com FPS30
À base de aloe vera, possui textura leve e não deixa a pele oleosa. É possível comprar com revendedores (é só balançar uma árvore para encontrar uns 20 deles!). Custa R$47. 
Obs: os ingredientes da Forever estão detalhados nesse documento no qual explica a origem de cada um. Alguns são de origem animal, mas o protetor solar, em específico, não contém ingredientes de origem animal.

Para lista de mais filtros solares veganos clique aqui.

Pepinho se divertindo na praia!

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Minhas experiências com óleo de maracujá



Não sei se alguém já ouviu falar, mas a Tarte começou a comercializar há algum tempo óleo 100% puro de maracujá. A pontuação do óleo na página da empresa é algo em torno de 4.7/5 e no Makeup Alley 4.4/5. Por ser um óleo puro extraído da Amazônia e exportado para outros países, imaginei que aqui esse óleo seria super conhecido e já consolidado entre os cosméticos brasileiros. Mas não. Aqui não se encontram resenhas de óleo puro da semente de maracujá e quase não se encontra para comprar. É a velha história: "santo de casa não faz milagre". Enquanto as gringas pagam horrores ($46 por 50 ml de óleo) aqui quase ninguém ouviu falar desse óleo brasileiro. Eu mesma só o conheci há pouco tempo.

Ao ler algumas resenhas, soa como um produto milagroso, mas tem como desvantagem o preço de US$46 (parte devido ao glamour da embalagem e da marca) para um produto que tem um ingrediente: óleo de sementes de maracujá (Passiflora edulis). Isso me fez pensar "se eu encontrar um óleo de semente de maracujá não refinado, prensado a frio e que seja orgânico, então o que o da Tarte teria de diferente de outra marca que oferece o mesmo produto?" Fiz uma pesquisa, notei que o óleo poderia ser perfeitamente de outra marca e encontrei o da Bioessência, que é vendido por R$21 para 120 ml de óleo prensado a frio, refinado e com certificado orgânico. Já conhecia os produtos da marca e sabia que eram de boa procedência.

O que diz o site:

"Suas propriedades antioxidantes ajudam a evitar a rancidez nas misturas de óleos para massagem. Contém vitamina A e C, além de vitaminas do complexo B. É rico em minerais como cálcio, fósforo e ferro. Regulador das atividades das glândulas sebáceas. Excelente hidratante e nutriente para a pele, deixando-a revitalizada e macia. Ótimo para peles ressecadas.

Ou seja, é um óleo rico em vitaminas famosas por serem ótimas aliadas contra o envelhecimento da pele e um poderoso anti-inflamatório.

Minhas impressões: 

Eu nunca tinha usado cremes anti-rugas para a região dos olhos, mas por estar quase na casa dos 30, achei que seria interessante começar a hidratar melhor algumas regiões do rosto propensas ao aparecimento de rugas. Não quero gastar rios de dinheiro com produtos que alegam ser anti-rugas (sem nenhuma comprovação científica) então achei que o óleo de maracujá era uma saída simples e eficaz.

O óleo é bem fininho, levinho e é rapidamente absorvido pela pele (mais que o de Jojoba). Possui coloração amarelo claro e um cheiro muito suave de semente de maracujá.

Achei mais prático aplicar no rosto através do frasco de roll on e ainda poder misturar com óleos essenciais. 

Usei por aproximadamente 3 meses algumas gotinhas antes de dormir no rosto inteiro e pela manhã embaixo dos olhos antes da maquiagem mineral. Ao acordar, a pele fica com a impressão de estar mais hidratada e viçosa, mas não faz diferença nas rugas e olheiras (até porque eu ainda não tenho tantas rugas e as olheiras são mínimas), a pele não fica mais "esticadinha" como pode acontecer com certos produtos. A pele também não fica oleosa, mas podem aparecer alguns cravinhos no nariz caso aplique o óleo diretamente nele, por isso procuro evitar a região e lavo o rosto muito bem pela manhã. 


Aplicar embaixo dos olhos antes da maquiagem mineral é ótimo, já que evita o acúmulo de produto nas linhas e a faz deslizar lindamente. Não senti que fez escorrer a maquiagem, mas não recomendo para quem tem a pele muito oleosa ou em dias de muito calor.

No cabelo usei para umectação antes de dormir e lavei na manhã seguinte. Achei que hidrata direitinho, mas não é tão potente como o óleo de coco, abacate ou argan. É semelhante ao óleo de semente de uva e fica legal como leave in também. 

Conclusão:

Se você procura um produto totalmente natural, simples e barato para hidratar a pele e prevenir rugas, esse é o óleo que procura. Hidratação é tudo em termos de prevenção de pele envelhecida. Além disso, nada irá substituir os efeitos de uma alimentação saudável, dormir bem, usar protetor solar e ter uma ingestão de líquidos adequada.

Se busca por um anti-rugas para combater sinais de envelhecimento, talvez seja mais interessante misturar o óleo a um hidratante da sua preferência.

O óleo de rosa mosqueta também pode ser uma ótima escolha para essa finalidade, porém em mim não deu certo, já que surgiram algumas espinhas decorrentes do uso do óleo de rosa mosqueta no rosto. Em algumas pessoas ele pode ou não ser comedogênico, ou seja, só testando para saber o que funciona ou não na sua pele.

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Onde comprar produtos veganos em BH - cosméticos, alimentos e higiene

Belo Horizonte evoluiu muito em termos de opções veganas nesses últimos meses, no entanto, muita gente ainda não consegue encontrar produtos sem ingredientes de origem animal, não testados em animais e voltados para público vegano em supermercados e lojas mais conhecidas. O intuito desse post é manter o maior número de informações possível, para ajudar quem gostaria de comprar produtos veganos, mas não sabe onde encontrar. Toda informação adicional é bem vinda.

1. Terra Vegana

ATUALIZAÇÃO: A loja física da Terra Vegana está temporariamente fechada.

A loja foi inaugurada há pouco tempo e ainda está em fase de ampliação, mas já possui vários produtos veganos. As proprietárias (mãe e filha) são veganas e montaram a loja para facilitar a vida dos veganos de BH. Lá é possível encontrar pasta de dente da Contente (até então inexistentes na cidade), produtos de limpeza da Milão, produtos da Goshen, Mr. Veggy, desodorante de cristal, chocolates, cosméticos da Feito Brasil etc.

Endereço: Rua Bolivar Mineiro, 433 - loja 06 bairro Dona Clara. Belo Horizonte-MG
Tel: (31) 2510-4010

https://www.facebook.com/Terravegana

Essas salsichas e linguiças da Goshen não são de Deus! São MUITO parecidas com salsichas de carne.
 



2. Empório Nanak

ATUALIZAÇÃO: A loja física do Empório NANAK está fechada.

A loja também é totalmente vegana e é voltada para a venda de produtos naturais e orgânicos. Tem alimentos congelados (Tofutti, Mr. Veggy etc), leites vegetais, óleos essenciais, maquiagens da Alva, cosméticos da Herbia, Weleda, Reserva Folio, perfumes Pacifica, produtos indianos etc. Também entregam em domicílio.


Endereço:
Empório Nanak - Rua Ivon Magalhães Pinto, 511 São Bento. Belo Horizonte-MG
Tel: (31) 3234-5792
Funcionamento: De segunda a quinta-feira das 9:00h às 19:00h e sexta-feira das 9:00h às 17:30h.*
*Fechado diariamente para almoço das 13:00h às 14:30h.
http://www.emporionanak.com.br


3. Fito Alimentos

A loja não é vegana, mas possui vários produtos veganos naturais, orgânicos, congelados, leites vegetais, tofus e hortaliças orgânicas. Também é possível encontrar produtos de limpeza orgânicos da Biowash.



http://www.fitoalimentos.com.br

Endereço:
Rua Rio Grande do Norte, 982 - Funcionários
Belo Horizonte/MG - CEP:30.130-131
TEL: (31) 3296.1934 | 3296.1924
ESTACIONAMENTO PRÓPRIO

Av. Bandeirantes, 1364 - Mangabeiras
Belo Horizonte/MG - CEP:30315-000
TEL:(31) 3282.2448
ESTACIONAMENTO PRÓPRIO


4. Mundo Verde


A loja também não é vegana mas possui algumas opções de cosméticos e alimentos veganos, orgânicos, integrais e naturais.

Rua Francisco Deslandes, 855 - Anchieta - Belo Horizonte - MG
Telefone: (31) 3222-0972
Horário de Funcionamento: Segunda á Sexta das 9hs ás 19hs e Sábado das 9hs ás 14h

Av. Prudente de Moraes, 563 - Santo Antônio - Belo Horizonte - MG
Telefone: (31) 2512-5678
Horário de Funcionamento: Segunda á Sexta das 9hs as 20hs, Sábado das 9 as 15hs


5. Mercado Central

Apesar da deprimente e vergonhosa ala de venda de animais vivos e mortos, há algumas lojas que vendem vários produtos vegetarianos e veganos, como produtos da Jasmine, Mãe Terra, Olvebra, proteína isolada de soja, PTS, chocolates Tri-Gostoso, Alfarroba, pães, leites vegetais, grãos, castanhas a granel e frutas.

Av. Augusto de Lima, 744
Tel: (31) 3274 9434
Horário de Funcionamento: Segunda a Sexta 7:00 às 18:00 | Sábado 7:00 às 18:00 | Domingos e Feriados 7:00 às 13:00

6. Carro de Lanches Vegetarianos


Fonte: Vista-se

O carro de lanches vegetariano vende alimentos prontos e congelados como salgados, feijão tropeiro, lasanhas, pizzas,  doces etc.

Endereço
Terça à Sexta das 12 ás 20hrs na Praça José Mendes Junior (praça do COPOM)
Ao lado da rua da Bahia 2160.
Sábado das 12 às 20hrs.
Domingo das 12 às 16hrs.

Só não abre nas segundas-feiras.
Sexta e sábado das 20 h às 02 da madruga na Sergipe, nº 1497 (em frente a boate Velvet).
Facebook  | Telefone (31) 9219-9269 | E-mail: cinefilobr@yahoo.com.br


7. Quituts


Quituts Comida Vegana

Encomenda de doces, salgados, panetones, cupcakes e oferece buffet de festa, tudo 100% vegano.

É possível encontrar alguns lanches na Lanchonete da Escola de Belas Artes da UFMG
Av. Antônio Carlos, 6627 - Pampulha
Site: http://quituts.blogspot.com.br/
Contato: (31) 3487-6309 ou quituts@gmail.com


8. Com Gentileza

Cupcakes, sanduíches, salgados e doces todos veganos. Oferece serviço de buffet para eventos. Serve almoço vegano de segunda à sábado. Em alguns dias do mês há festivais de comida vegana.

Rua Timbiras, 715 - Funcionários
Facebook: https://www.facebook.com/comgentileza/
Telefone: (31) 2515-3223





----
 
Além dessas lojas, os supermercados e lojas que podem ser encontrados alguns produtos veganos são:

- Mercearia Tokio: Tofu por R$13,90/ kg.

- Supermercado Supernosso: produtos Goshen, produtos de limpeza da Ypê, orgânicos etc.

- Supermercado Verdemar: hmbúrgueres da Samurai, Goshen, Ecobrás e Pranic, tofu, pasta de tofu, iogurtes de soja, chocolates Olvebra, patês da Ecobrás, produtos de limpeza Biowash e Amazon, orgânicos etc.

- Supermercado Extra: tofus, patês e hambúrgueres da Ecobrás, iogurtes de soja etc.

- Walmart em Contagem: produtos de limpeza veganos da Amazon

- Lojas Rede: produtos da Surya, Bioextratus etc.

- Feiras de orgânicos: veja a lista nesse site.

- Ração vegetariana da Fri Dog: Império da Ração

- Botica Veg: cosméticos veganos, alimentos veganos e produtos de limpeza. Site

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Melhores produtos veganos testados em 2013

Eu amo testar novos produtos e 2013 foi lindo testar e contar minhas experiências com produtos de beleza veganos no blog. Foi super difícil enxugar a lista, mas tentei abranger todos os "segmentos" e aqui estão os produtos que eu mais gostei de testar:

Cabelo

- Shampoo: Surya linha Fixação da Cor - melhor custo-benefício e Herbia de Lavanda e Verbena - cabelo super cheiroso e brilhante.

- Condicionador: Lunablu Repair - melhor custo-benefício, muito emoliente, reparador e fortalecedor.

- Máscara: Giovanni Reconstructor

- Protetor térmico: Alterna linha Hemp Thickening Compound - dá volume e levanta a raiz do cabelo sem pesar

- Leave in/ Protetor Solar: Surya linha Fixação da cor - cabelo macio sem ficar pesado.

- Umectação: óleo de coco.


Rosto


- Hidratante: Arte dos Aromas orgânico de cupuaçu e óleo de jojoba

- Tônico adstringente: Herbia Hidrolato de tea tree

- Secativo de espinha: óleo essencial de tea tree

- Primer: Bioart

- Corretivo: Nyx Full Coverage


- Blush: Elf Studio cor Peachy Keen e Sinagure Minerals cor Desiree Peach

- Bronzer e Iluminador: Sleek Contour Kit cor light


Corpo

- Hidratante: Feito Brasil linha Romance (cheirinho lembra o "Pure Seduction" e Sweet Temptation" da Victoria's Secret, mas não é tão invasivo!). 


- Esmalte: Risqué Violeta Chic e Besouro  

*** Descobri há pouco que a Risqué pertence à Hypermarcas, a qual possui um segmento farmacêutico e realiza testes em animais em remédios. Existem marcas como a Impala, Big Universo, Nubar e Elf que são totalmente cruelty free e os esmaltes veganos.

- Hidratante de cutículas e manteiga corporal: Manteiga de karité




Olhos


- Sombra compacta: Sugarpill cor Bulletproof



- Pigmento: Alva cor Sparkling Harmony


- Delineador: Vult em gel

- Mascara de cílios: Elf Mineral Infused

- Lápis: Alva Kajal Black

- Hidratante para região dos olhos: óleo de maracujá (resenha em breve)


segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Resoluções para 2014

Sei que isso pode soar um clichê meio ridículo, mas penso que uma lista de resoluções pode ser inspirador para algumas pessoas, principalmente quando percebemos que temos vários pontos a melhorar. Fazer listinhas do que podemos cumprir é bom porque, apesar da informalidade, funciona como um comprometimento pessoal.


1. Apadrinhar animais


Escolha uma ONG de confiança da sua cidade e faça doações mensais com qualquer valor que sentir confortável financeiramente. Caso ainda não tenha condições, é possível ir à ONG uma vez por semana, brincar com os animais, dar um passeio com os peludos, ajudar a dar banho, doar medicamentos e brinquedos etc. É possível também ser voluntário em feiras de adoção, mas eu, pessoalmente, fico um pouco incomodada de ver o cachorro mais gente boa do mundo ser adotado por alguém que foi à feira a procura de um cão de raça. Tem que saber lidar com essas pessoas. Existem também ONGs que ajudam cavalos resgatados de carroceiros, animais silvestres e animais resgatados de abatedouros. Exemplos de algumas das ONGs: Natal Animal, Chicote Nunca Mais, Cão Viver, Asas e Amigos.


2. Consumo mais consciente


Muitas vezes compramos coisas que não precisamos e que não serão úteis nem a longo prazo, movidos apenas pelo impulso do momento. Quando nos damos conta, essas coisas vão parar no fundo da gaveta e ficarão esquecidas eternamente. O perigo é quando associamos o ato de comprar com alívio de uma frustração e o sonho de uma viagem ou a compra de uma casa, por exemplo, ficam mais distantes. Sem contar que cada vez que compramos algo inútil, estamos contribuindo para o excesso de resíduos e impactos ambientais com matérias-primas. É claro que eu não vou ser hipócrita de dizer que só comprarei o necessário e cortarei todos os supérfluos... somos seres humanos e temos diversas fraquezas. Alguns produtos realmente nos fazem sentir melhores. Quem sou eu para dizer a alguém que não compre algo. Mas vamos pensar 20 vezes antes de comprar e nos perguntar se precisamos mesmo daquilo ou se é só uma vontade passageira. Tente se segurar e comprar uns 2 dias depois de pensar bem. Vamos tentar valorizar mais o que já temos e fazer escolhas mais conscientes. Além disso, sempre que possível, é bom esvaziar as gavetas e fazer doações. Menos é mais.



3. Priorizar empresas éticas/veganas/vegetarianas



Essa provavelmente não seria uma resolução de 10 anos atrás. No entanto, atualmente surgem cada vez mais empresas preocupadas com o meio ambiente e com os animais que não tem mais desculpa. Descobri há pouco tempo várias lojinhas e empresas veganas no Brasil, não só marcas e lojas físicas, como lojas virtuais que entregam em todo o Brasil. Por que não valorizar e prestigiar lojas e empresas veganas ao invés de comprar de grandes empresas que lucram cada vez mais às custas da exploração de animais (humanos e não humanos)?


4. Priorizar os orgânicos



Não é bizarro se deparar com frutas cobertas por uma película esbranquiçada de agrotóxico? Recentemente uma pesquisa da Anvisa revelou que no Brasil alguns alimentos possuem mais agrotóxicos que o limite permitido para saúde humana. Acho que eu nem preciso citar os malefícios dos agrotóxicos à saúde e ao meio ambiente. Infelizmente os produtos orgânicos com certificado ainda não recebem subsídios do governo brasileiro (como ocorre na Europa, por exemplo) e o preço acaba pesando no bolso. A solução mais barata é comprar os alimentos críticos que possuem agrotóxicos muito acima do permitido como pimentão, cenoura, morango, pepino, alface, tomate, abacaxi etc. com certificado orgânico e comprar em feiras orgânicas. Veja a lista de feiras orgânicas em sua cidade aqui. Ter uma hortinha em casa também vale a pena.


5. Educar pessoas 


A única maneira de salvarmos os animais (objetivo do veganismo) é aumentando cada vez mais o número de veganos. Mas como aumentar o número de veganos? Educando! Ninguém nasce vegano ou carnista. Ninguém nasce achando que cachorro de raça tem valor, que vira-lata é lixo, que porco e boi são comida, que cavalo é pra puxar carroça, que gato é fofinho e animal de companhia... isso tudo é ensinado! Se somos ensinados a não sermos veganos, podemos ser ensinados a sermos veganos.

Se o objetivo do veganismo for limpar a consciência de cada um apenas, seja vegano e ponto final. Se o objetivo for salvar animais, vire vegano e eduque as pessoas com quem você convive! Educar não significa necessariamente ativismo em avenida, como o Veddas faz (nada contra, diga-se). Educar pode ser conversar com as pessoas da família, amigos e conhecidos. A única coisa que um vegano não deve fazer é ficar calado achando que veganismo é mera opção individual, cada um na sua, e contanto que você esteja fazendo a sua parte, tudo bem.

Resolução pra 2014: sair do mundinho particular, parar de ter vergonha, de não querer incomodar e educar mais as pessoas.

6. Evitar calorias vazias (açúcar e frituras)


Esse ano eu engordei um pouquinho por pura fanfarronice. Venho percebendo que sou viciada em açúcar. Lendo a respeito, encontrei algumas pesquisas como essa, que sugerem que alimentos ricos em açúcar e frituras causam efeito similar ao da cocaína no cérebro. A melhor forma de evitar esse vício é diminuir aos poucos. O paladar se adapta com o tempo, mas o organismo às vezes parece exigir! Como eu odeio o gosto de adoçante, prefiro não adoçar sucos, chás e café. Depois do almoço, procuro comer tâmaras, frutas secas, sorbets e chocolates sem açúcar. O grande desafio é tentar exorcizar essa pessoa que mora dentro de mim e aparece de tempos em tempos com uma vontade alucinante de atacar batata frita, sorvetes e chocolate!