quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Parando de tomar pílula anticoncepcional | Pele | Depressão

Fonte

Olá, gente!

Pelo que podem esperar pelo título, vou relatar a minha experiência após parar de tomar pílula anticoncepcional e os motivos que me levaram a isso. Não gosto muito de me expor, mas fiz um esforço para, quem sabe, poder ajudar alguém que passa pela mesma situação.


Comecei a tomar pílula aos 16 anos por indicação da minha ginecologista porque não queria engravidar, tinha cólicas, irritação e enxaqueca insuportáveis, pele muito oleosa e acne. Na época, comecei com a Yasmin e pouco tempo depois mudei para a Yaz, que é considerada uma das pílulas com mais baixa dosagem de hormônio disponíveis.

Tomar pílula sempre foi muito conveniente para mim: escolhia quando iria menstruar, não me preocupava com gravidez e as cólicas diminuíram drasticamente. A minha pele melhorou bastante, apesar de ainda aparecerem espinhas eventuais e muitos cravos. Não tive nenhum problema que é constantemente associado a quem toma pílula, como trombose, embolia, ganho de peso, AVC etc. Nunca pensei em parar de tomar, mesmo com a enxurrada de relatos sugerindo métodos alternativos que estavam pipocando nas redes sociais. Aliás, as ginecologistas sempre me diziam que se eu estava me sentindo bem, não havia motivo para mudar. Afinal, "não se mexe em time que está ganhando". Foram cerca de 15 anos usando a pílula.

Em maio desse ano, comecei a me sentir extremamente deprimida, ansiosa, com muitas variações de humor, pensamentos suicidas e com a sensação de que nada que eu fazia valia a pena. Parei de fazer várias coisas das quais eu gostava, como escrever no blog (aliás, eu peço muitas desculpas a quem me pedia atualizações). A gente é bombardeada com notícias negativas o tempo todo, principalmente porque me considero uma pessoa super sensível, que absorve o sofrimento alheio de forma muito intensa. É verdade que estamos todos passando por um momento difícil no Brasil, mas saber lidar com isso depende muito do nosso estado psicológico. Como ajudar animais e inspirar pessoas se estamos mal?

Fonte

Já tinha tomado antidepressivos aos 23 anos e em junho desse ano tive que tomar novamente. O alerta vermelho surgiu quando eu li em algum lugar que tomar pílula poderia desencadear depressão em quem já tem predisposição. Eu nunca pensei que isso poderia ocorrer (nunca me alertaram!). Mas um estudo recente (leia aqui em português) indicou que existe uma associação significativa em usuárias de pílula anticoncepcional e uso de antidepressivos, sugerindo que um dos efeitos colaterais de métodos hormonais era aumentar o risco de depressão.

Decidi então parar de tomar a pílula e, como não quero engravidar, optei pelo DIU de cobre (pretendo fazer um post futuramente sobre a minha experiência com ele).

Após alguns meses sem tomar pílula, consultei com uma endocrinologista para saber se havia algum desbalanço hormonal e felizmente os exames estavam normais. De um modo geral, notei em mim as seguintes mudanças:

  • uma diferença enorme na libido. Parecia que eu era castrada e não sabia!
  • nenhuma diferença na pele. Esse era o meu maior medo ao parar de tomar pílula. No entanto, por incrível que pareça, a minha pele não piorou nem melhorou. Surgiram algumas espinhas na tpm, mas nada que me incomodasse.
  • a menstruação regularizou em pouco tempo, mas o fluxo aumentou bastante
  • TPM totalmente suportável
  • diminuição de manchinhas escuras no rosto (melasma)
  • meus seios "murcharam" um pouco
  • aumento de oleosidade nas costas
  • até agora não tive nenhuma enxaqueca
  • ganhei massa muscular e perdi gordura abdominal (me senti mais disposta a malhar e correr)
  • o principal: finalmente comecei a gostar de mim novamente


Conclusão

Se você está tomando pílula e sente que está "enlouquecendo" e sem controle de suas emoções, converse com a sua ginecologista e considere usar outro método anticoncepcional.

Essa foi apenas a minha experiência. Não estou dizendo que esses sintomas e efeitos irão se repetir para todos, mas também não acredito que tomar pílula seja para todo mundo, especialmente em quem já tem pré disposição a ter depressão ou histórico familiar. Espero que o post tenha sido útil! 


Obs: Eu não me sinto culpada nem considero hipocrisia o fato de eu ser vegana e ter tomado pílula (que é necessariamente testada em animais). Já falei anteriormente sobre isso.


Links interessantes

https://www.theguardian.com/commentisfree/2016/oct/03/pill-linked-depression-doctors-hormonal-contraceptives

http://exame.abril.com.br/tecnologia/anticoncepcional-hormonal-pode-duplicar-risco-de-depressao/

http://noticias.r7.com/saude/fotos/anticoncepcional-afeta-memoria-emocoes-e-pode-mudar-estrutura-do-cerebro-diz-estudo-18042015#!/foto/1

https://lookaholic.wordpress.com/2016/03/03/cinco-meses-sem-tomar-anticoncepcional/

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Resenha | Sombras veganas da Makeup Geek


Provavelmente quem assistia vídeos de tutoriais de maquiagens no passado deve se lembrar da Marlena do canal Makeup Geek. Ela lançou uma linha de maquiagens e a qualidade das sombras é aclamada no meio especializado. A maioria delas é vegana, mas alguns itens ainda contém carmine (cochonilha) e estão listados em vermelho abaixo.

De acordo com o site da marca (https://www.makeupgeek.com/makeup-geek-cruelty-free-and-vegan-info/):

"Makeup Geek is proud to be a cruelty-free brand! We are committed to providing high-quality cosmetics that are animal friendly. You can trust that our labs, manufacturers, and ingredient suppliers DO NOT test on animals. We have discussed cruelty-free certification with PETA, and while we meet their requirements for certification as a brand, we’re unable to use PETA’s cruelty-free bunny logo because we sell other brands that are not certified as cruelty free.

Transparency is important to us, and we want you to know that ALL Makeup Geek products are cruelty free and MOST Makeup Geek products are vegan.

Cruelty Free vs. Vegan: What’s the difference?


Cruelty Free = No Animal Testing
Vegan = No Animal Ingredients or Byproducts

Animal byproducts like milk, lanolin, carmine, honey, and royal jelly are commonly used in cosmetics. Some of our products include carmine (red pigment derived from insects), which prevents them from being designated as vegan. The aforementioned products are:

Blushes in the shades First Love and Romance contain Carmine

Eyeshadows in the shades Americano, Beaches and Cream, Bitten, Carnival, Cherry Cola, Chit Chat, Concrete Jungle, Cosmopolitan, Country Girl, Cupcake, Curfew, Desert Sands, Drama Queen, Duchess, Fashion Addict, Hot Pants, Mango Tango, Morocco, Motown, Pillow Talk, Poppy, Razzleberry, Rebel, Simply Marlena, Sin City, Sorbet, Taboo, Tuscan Sun, Twilight, Unexpected, Unicorn, Vintage, Wild West and Wisteria contain Carmine.


Duochrome Eyeshadows in the shades Phantom, Ritzy, Blacklight, Secret Garden, Mai Tai, Karma, and Havoc contain Carmine.

Makeup Geek X MannyMUA Palette – the shades in Aphrodite, Beaches & Cream, Cosmopolitan, and Mars contain Carmine

Duochrome Pigments in the shades of Wild Fire and Hologram contain Carmine.

Full Spectrum Eye Liner Pencils – the shades of Orchid and Royal contain Carmine.

Sparklers in the shades of Zodiac and Halo contain Carmine.

Foiled Eyeshadows in the shades Center Stage, Caitlin Rose, Whimsical, Daydreamer, High Wire, and Masquerade contain Carmine.

Contour Powders – all our Contour Powders are carmine free and vegan.

Pigments – all our current loose pigments are all Carmine-free :)

The Makeup Geek staff are not vegan experts, and do not claim to be. To ensure that our vegan products are properly represented as such, we’ve worked with many authorities in the cosmetic industry to have our complete ingredient decks reviewed for accuracy. We can confirm that the Octyldodecyl Stearoyl Stearate and Caprylic/Capric Triglyceride ingredients we use are both synthetic and NOT animal based.
"

__

Eu comprei 5 sombras mattes veganas mais neutras e estou completamente apaixonada por elas: Peach Smothie, Frappé, Barcelona Beach, Bedrock e Corrupt.


As sombras são pigmentadas e macias. Algumas tem a textura mais "amanteigada" e esfumam muito bem. A Peach Smothie é uma cor de transição perfeita e a Corrupt é considerada a sombra preta mais pigmentada. Cada uma custa US$6,00 (cerca de R$24,00).


Peach Smothie e Barcelona Beach no côncavo, Bedrock na pálpebra e Corrupt no canto externo

Peach Smothie, Frappé e Barcelona Beach no côncavo e Corrupt para delinear


Comparação entre a Corrupt e a Bulletproof da Sugarpill (resenha aqui):



Elas não possuem ímã, tem tamanho padrão de sombras e se encaixam em paletas vazias como a da Contém 1g (que é magnética):



Composição:

Mica, Isoeicosane, Polyisobutene, Calcium Aluminum Borosilicate, Calcium Sodium Borosilicate, Boron Nitride, Kaolin, Polyethylene, PTFE, Nylon-12, Magnesium Stearate, Zinc Oxide, Silica, Synthetic Wax, Lauroyl Lysine, Hydrogenated Lecithin, Methicone, Dimethicone, Iron Oxides CI 77491, CI 77492, CI 77499, Chromium Hydroxide Green CI 77289, Ultramarines CI 77007, Titanium Dioxide CI 77891, Bismuth Oxychloride CI 77163, Manganese Violet CI 77742dc Black No. 2 CI 77266, C13-16 Isoparaffin, C12-C14 Isoparaffin, C13-C15 Alkane, Carmine CI 75470*, Chromium Oxide Greens CI 77288, Ferric Ammonium Ferrocyanide CI 77510, Ferric Ferrocyanide CI 77510, Blue 1 Lake CI 42090, Yellow 5 Lake CI 19140, Red 6 Lake CI 15850, Tin Oxide, Zinc Stearate.

*Nem todas as sombras contém carmine (ver acima).



Lojas internacionais que enviam para o Brasil (tenha em mente que você pode ser taxado pela RFB e/ou esperar mais de um mês de entrega dos Correios):

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Dicas para descartar devidamente embalagens vazias

Veja o símbolo de reciclável no rótulo da embalagem

A nossa simples existência já é responsável por causar vários impactos no meio ambiente. E quando o assunto é cosmético, tenho plena consciência de que utilizo muito mais do que necessário (é um dos meus escapismos preferidos) e acho que é mais do que uma obrigação nossa separar o lixo gerado pelas embalagens vazias para serem recicladas. Infelizmente muitas empresas no Brasil ainda não tem muita consciência de fabricar embalagens eco-friendly e a maior parte do lixo não é reciclada. Para se ter uma ideia, segundo a prefeitura de BH, apenas 4,7% do lixo produzido é reciclado na cidade. Quando procuramos saber o destino de todo o lixo gerado, fica difícil continuar jogando na lixeira comum materiais que demoram várias décadas e até centenas de anos para ser decomposto no ambiente, quando podemos descartar de forma mais consciente e sustentável, sem muito esforço.




Onde eu moro o caminhão de coleta seletiva não passa, mas procuro separar boa parte do lixo como plásticos, vidros, papéis, metais e isopor (sim, isopor pode ser reciclado!) e toda semana levo para supermercados que possuem depósitos para descarte de lixo reciclável. Em Belo Horizonte, os pontos de coletas de lixo reciclável segundo a prefeitura podem ser encontrados nesse link e os pontos que recebem o caminhão de lixo reciclável estão indicados nesse link. Entre em contato com a prefeitura da sua cidade para saber os pontos de recebimento.

Se você ainda não separa o lixo reciclável do orgânico, veja este excelente post da Juliana com dicas para começar a separar o lixo. 

Fonte

Além desses pontos de recebimento, existem outros meios gratuitos de descartar embalagens vazias de cosméticos e produtos de higiente, como pasta de dente, escovas de dente, aparelhos de barbear, vidros de esmaltes e até objetos usados como pilhas, canetas etc. Para isso, o Terra Cycle recolhe esses itens usados por meio de programas de empresas, nos quais é possível enviá-los gratuitamente via Correios.

A dica para separar embalagens de cosméticos e produtos de higiene é manter uma caixa no banheiro ou no armário e lembrar de sempre jogá-los quando acabar de usar. Depois de ter juntado bastante, cadastrar no site e solicitar a etiqueta para envio das embalagens.





Links úteis:

Brigadas que recebem gratuitamente embalagens e produtos usados: http://www.terracycle.com.br/pt-BR/brigades

Para reciclar sucata eletrônica em Belo Horizonte: http://www.bhrecicla.com.br/

Saiba mais sobre formas e critérios de reciclagem, novidades e campanhas de reciclagens: http://www.ecodesenvolvimento.org/

Como descartar cosméticos vencidos: 
http://www.ecodesenvolvimento.org/posts/2013/julho/cosmeticos-vencidos-conheca-dicas-e-empresas-que?tag=moda-e-beleza

Compostagem doméstica: https://lar-natural.com.br/como-fazer-compostagem-domestica-passo-a-passo/

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Resposta do SAC | KANECHOM

Estão vendo como as empresas se adaptam ao perfil do cliente e suas solicitações? Fonte: Facebook
A Kanechom é uma empresa de cosméticos bastante acessível daqui de Belo Horizonte e lançou há poucos meses uma linha "Low Poo", a qual é isenta de silicones insolúveis, petrolatos e sulfato. O grande diferencial da empresa é praticar preços baixos, como shampoos de 350 ml a R$7 e máscaras de 1 kg a R$8.

É importante lembrar que a Kanechom NÃO é uma empresa vegana, ou seja, vários de seus produtos contém ingredientes de origem animal, como leite de cabra, ceramidas, queratina, colágeno, elastina etc. 

A minha pergunta foi especificamente sobre a linha low poo/nutritivo: 

"Gostaria de saber se os produtos da linha low poo da KANECHOM possuem ingredientes de origem animal. A glicerina usada é de origem animal ou vegetal?" 

Essa primeira resposta contemplou apenas a linha LOW POO / NUTRITIVO:

Composição do shampoo: Aqua (Water), Disodium Laureth Sulfosuccinate, Sodium Cocoamphoacetate, Lauryl Glucoside, PEG-150 Distearate, Cocamide DEA, Parfum, Citric Acid, Glycerin, Helianthus Annuus Seed Oil, Cocos Nucifera Oil, Methylchloroisothiazolinone/ Methylisothiazolinone, Linum Usitatissimum Seed Oil, Camellia Sinensis Leaf Extract, Argania Spinosa Kernel Oil, Macadamia Ternifolia Seed Oil, Olea Europaea Fruit Oil, Persea Gratissima Oil, Mentha Piperita Leaf Extract, Potassium Sorbate, Sodium Benzoate, Rosmarinus Officinalis Leaf Extract. 

Composição da máscara: Aqua (Water), Cetearyl Alcohol, Cetrimonium Chloride, Cetyl Alcohol, Parfum, Ceteareth-20, Dicocoylethyl Hydroxyethylmonium Methosulfate, Propylene Glycol, Citric Acid, Disodium EDTA, Glycerin, Helianthus Annuus Seed Oil, Cocos Nucifera Oil, Linum Usitatissimum Seed Oil, Me thylch lor o iso t h iazol inone /Methylisothiazolinone, Camellia Sinensis Leaf Extract, Argania Spinosa Kernel Oil, Macadamia Ternifolia Seed Oil, Olea Europaea Fruit Oil, Persea Gratissima Oil, Mentha Piperita Leaf Extract, Potassium Sorbate, Sodium Benzoate, Rosmarinus Officinalis Leaf Extract. 

Perguntei em outra oportunidade sobre os testes e as outras linhas e essa foi a resposta:

Quando questionei sobre o uso de colágeno e elastina nessas linhas, a resposta foi a seguinte:


Como ficou claro pela resposta, a linha Nutritivo/Low Poo lançada recentemente é vegana. Os lotes dos produtos antigos das linhas: Hidratação Completa, Cachos Disciplinados, Fortificante, Kids e Revitalizador ainda contém ingredientes de origem animal. Os novos produtos dessas linhas, segundo o SAC da empresa não contém. Por isso, antes de comprar, verifique o rótulo. Caso encontre na composição: "Hydrolized Collagen", "Hydrolized Keratin" ou "Hydrolized Elastin", o produto não é vegano.

Para saber onde encontrar na sua cidade, veja esse link.

Ritual Box | Beleza Vegana


Adesivo fofo! 

A Ritual Box de abril "Beleza Vegana" teve a edição super especial com a minha participação na curadoria! Fui convidada para ajudar a escolher os produtos da caixa e eles foram selecionados com todo o meu cuidado e carinho pensando em atender as pessoas que querem consumir com consciência produtos veganos (isentos de ingredientes de origem animal e de empresas que não testam em animais). Confesso que foi um trabalhão por várias semanas tentando negociar com as empresas - sou muito perfeccionista e não queria incluir produtos apenas para compor a caixa. Gostei muito do resultado e fiquei satisfeita em poder divulgar a mensagem do veganismo e respeito aos animais. Quem quiser saber mais como funciona, visite o site: https://sublimerituais.com.br/

Eu tinha em mente escolher dois produtos curingas, que pudessem ser usados em várias receitinhas "faça você mesmo (DIY)" para pele e cabelo. Também queria um item de maquiagem acessível e hipoalergênica. Incluí um acessório que nos fizesse lembrar dos animais e um produto de limpeza eco-friendly. 

Por favor me falem nos comentários o que acharam da seleção dos produtos!



1. Óleo de Argan Puro, Riquezas da Terra


Acho que eu nunca comentei por aqui, mas apesar de amar o óleo de coco e usá-lo para diversas funções, ele me dá espinhas no rosto e nas costas (quando uso nas pontas do cabelo). Morro de inveja de quem não tem esse problema! 

No entanto, a minha pele oleosa se dá super bem com os óleos de jojoba e de argan. Além da pele, meu cabelo também ama! O óleo de argan é rico em vitamina E e faz um excelente trabalho de nutrição dos cabelos - faço umectação noturna e lavo com shampoo normalmente ao acordar. Por ser levinho, é um ótimo reparador de pontas para cabelos finos. Em mim os resultados são superiores a qualquer óleo que eu já testei até hoje. Quando usado na pele, uma gotinha já é suficiente para evitar o ressecamento e ajuda na hidratação se usado com um hidratante facial. Como ele não é considerado um óleo comedogênico, dificilmente irá causar cravos e espinhas.


 Até então, usava óleo de argan importado do iherb e quando vi que a Riquezas da Terra, uma marca que eu admiro muito, começou a oferecer o óleo de argan, tive que incluir na seleção! Eu acredito que nesse momento (outono e inverno) são bons para incluir óleos na rotina de cuidados com a pele e cabelo. E nada impede de misturá-lo a outros óleos, como o de jojoba, abacate, oliva etc.

2. Batom orgânico, Vymana/Nação Verde

Já comentei sobre a Vymana nesse post, lembram? Toda a linha de maquiagem é vegana e com ingredientes naturais a preços razoavelmente acessíveis. Ela é vendida pela Nação Verde, uma loja de produtos naturais espalhada por algumas cidades do Brasil.

O batom que eu escolhi foi a cor Chocolate, um marrom clarinho opaco, meio cara de outono e discreto para usar no dia a dia. Em peles mais escuras, ele fica nude na boca. O acabamento é acetinado e deixa a sensação de lábios hidratados. A duração não é tão grande e precisa ser retocado algumas vezes ao dia. 



3. Óleo Essencial de Tea Tree/Melaleuca


Quem acompanha o blog sabe que esse óleo essencial é multiuso - serve para cicatrizar espinhas, evitar proliferação de bactérias e fungos na pele etc. Para evitar que o post fique repetitivo, leia os meus posts anteriores sobre os benefícios e as diversas formas de usar o óleo de melaleuca no tônico adstringente, no desodorante, tratar micoses etc.

4. Carteira de patinhas, Artmanha


Conheci a marca Artmanha em uma feira de artesanato na UFMG há alguns anos e quando bati o olho na estampa de patinhas, achei a minha cara. Aliás, tem várias estampas bacanas. Os acessórios são produzidos com embalagens tetra pack recicladas e o material é bem resistente.

A carteira é super compacta e comporta até 5 documentos: cabe carteira de identidade, carteira de motorista, documento do carro etc. Outra ideia é usar como documento de vacinação de cachorros e gatos:



5. Multiuso Verbena, BioZ Organic (miniatura)


O multiuso de limpeza pode ser usado para limpar a superfície da penteadeira, escrivaninha, armários, prateleiras e mesas. A minha mesa costuma sujar horrores com maquiagem (principalmente maquiagem mineral)! Ele tem um cheirinho suave e muito agradável de verbena e limão siciliano. 


Revista, Sublime Mag

A revista contou com as minhas receitinhas preferidas e um texto com dicas para quem está interessado em se tornar vegano. Que quiser ler, é só visitar o site: 



Não recebo $ pela divulgação ou venda. Os produtos foram enviados para considerações voluntárias no blog. 

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Resenha | Shampoo Controle de Oleosidade da Phytoervas



Tenho a raiz do cabelo oleosa, cabelo escorrido na testa e ainda costumo sair da academia com a cabeça encharcada de suor. Apesar disso, as pontas do cabelo são um pouco ressecadas e encontrar um shampoo que limpe bem o cabelo, controle a oleosidade por mais de um dia, não resseque muito as pontas e seja acessível é um desafio. 

Eu também procuro ser adepta da técnica de "Low Poo", que é tentar usar produtos isentos de sulfatos, petrolatos e silicones insolúveis em água. Este shampoo de gengibre da Phytoervas se enquadra nesses requisitos: ele não tem sal, sulfatos, corantes, parabenos, petrolatos e silicone insolúvel em água.

Na composição do shampoo contém: 

- extratos de gengibre, menta, alecrim, limão e sálvia (responsáveis pela limpeza do couro cabeludo, ajudando a controlar a oleosidade)
- cereais integrais de trigo, quinoa e linhaça (responsáveis para potencializar a nutrição e restauração do cabelo)

A fragrância predominante dele é de menta e alecrim. A textura é bem viscosa e ele é transparente. 

Para lavar, uso pouco mais de um tamanho de uma moeda de 1 real e eu percebo que rende bastante. Repito o processo 1x. Apesar de não conter sulfato, ele faz bastante espuma. Eu também sinto que a menta e o alecrim agem no couro cabeludo aumentando a sensação de refrescância e estimulando a circulação sanguínea. Esse efeito é muito agradável, principalmente no calor e usando água mais fria (por que esse outono não chega nunca?). 

Depois de seco, sinto o cabelo "esvoaçante" (HAHA) e brilhoso. Apesar de não ressecar excessivamente como um shampoo normal para cabelos oleosos, percebo que se eu não aplicar uma máscara ou um bom condicionador, as pontinhas ficam um pouco ressecadas. Outra coisa que eu faço é aplicar esse shampoo na primeira lavagem e um shampoo mais hidratante na segunda lavagem. Também não dispenso um leave in nas pontas. Dessa forma, o cabelo fica hidratado e maleável.

Pelo menos em mim, depois de umas 2 ou 3 semanas de uso, ele controlou melhor a oleosidade da raiz do cabelo por mais de um dia, mas volta a ficar oleoso após 2 dias sem lavar.

Em comparação ao shampoo anti-resíduos da Phytoervas (falei dele aqui), percebo que o anti-resíduos resseca menos o cabelo, mas não segura a oleosidade por mais de um dia como esse conseguiu controlar.

A Phytoervas não testa em animais e indica no rótulo quando o produto não contém ingredientes de origem animal:


Ingredientes: Aqua, Sodium Lauroyl Methyl Isethionate, Cocamidopropyl Betaine, Glycerin, Sorbeth-450 Tristearate, PEG-9 Cocoate, PEG-32 Distearate, PEG-175 Distearate, PEG-8 PG-Coco-Glucoside Dimethicone, Achillea Millefolium Extract, Zizyphus Joazeiro Bark Extract, Citrus Limon Fruit Extract, Salvia Officinalis Leaf Rxtract, Mentha Arvensis Leaf Extract, Rosmarinus Officinalis Leaf Extract, Quillaja Saponaria Bark Extract, Butylene Glycol, Allium Sativum Bulb Extract, Silanediol Salicylate, Triethanolamine, Polysilicone-3, Zingiber Officinale Root Extract, Guar Hydroxypropyltrimonium Chloride, Triticum Aestivum Germ Extract, Linum Usitatissimum Sees Extract, Chenopodium Quinoa Seed Extract, Disodium Edta, Citric Acid, Methylchloroisothiazolinone, Methylisothiazolinone, Parfum.


O shampoo custou cerca de R$15 e pode ser encontrado em supermercados, perfumarias ou em lojas virtuais como Ikesaki. Lojas Rede etc.

domingo, 17 de abril de 2016

Testei | Lápis de olhos Dark Black da Tracta


Tenho o costume de usar lápis de olhos todos os dias e estou sempre a procura de lápis veganos. Encontrei este da Tracta em uma perfumaria com o preço muito acessível e vi que não possuía ingredientes de origem animal. 

[Para quem não sabe, a Tracta/Farmaervas não testa em animais, mas não é uma empresa vegana, apesar de oferecer cosméticos veganos e poucas maquiagens sem ingredientes de origem animal. Alguns produtos até já possuem selo de cruelty free e menção de "sem ingredientes de origem animal" no rótulo (como mostrado aqui e aqui)]

O traçado deste lápis é muito macio, não borra e a pigmentação é boa, mas não excelente. Acho que ele poderia ser um pouco mais pretinho. Porém, pelo preço que paguei (R$15,00), fiquei bastante satisfeita com a qualidade.


Mesmo num calor infernal, não borrou nos meus olhos (ele é à prova d'água). A duração é muito boa, mas no final do dia o traçado fica menos intenso. Se quiser que a duração aumente, basta usar um primer de olhos.

Composição:


Ele pode ser encontrado em perfumarias e na loja virtual da Tracta.

Alguém conhece outro lápis vegano e acessível?

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Onde tomar sorvete vegano em BH


Fonte

Em Belo Horizonte não é mais possível comprar os sorvetes da Tofutti, mas a boa notícia é que não faltam opções para quem é vegano. Questionei os SACs de algumas sorveterias que oferecem sorvetes veganos em BH e selecionei os meus preferidos neste post.

É importante lembrar que 0% lactose não significa que um sorvete seja isento de leite ou gorduras de origem animal. As casquinhas também podem conter leite na composição. Para ter certeza, o mais confiável é perguntar ao SAC e confirmar com o atendente no local.


1. LULLO GELATO



Os sorvetes italianos ou gelatos da Lullo são os mais saborosos de BH, na minha opinião. Os sabores veganos são: manga, maracujá, framboesa, amora, morango, limão siciliano e chocolate vegano. Eles estão indicados com uma bolinha verde na plaquinha (ver foto abaixo).




Endereço: Rua Antônio de Albuquerque, 617 - Savassi

Telefone: (31) 3656-0625

Site: http://www.lullo.com.br/

Página do Facebook:  https://www.facebook.com/lullogelato

Preço: R$10 o pote pequeno (foto), R$12 o médio e R$15 o grande. 


2. EASY ICE



A Easy Ice é uma sorveteria com inúmeras opções de sorvetes veganos - os sorbets, além do tradicional açaí. 

Quando perguntei se os sorbets eram isentos de ingredientes de origem animal, essa foi a resposta:


Endereços: BH Shopping, Pátio Savassi, Shopping Cidade e Rua Professor Moraes, 476 - Funcionários 

Telefone: (31) 3347-0861
Site: easyice.com.br

Página do Facebook:  https://www.facebook.com/Easyice/

Preço: pelo kg


3. SORVETERIA UNIVERSAL


A Sorveteria Universal é bastante antiga na cidade e de vez em quando oferece sorvetes em food trucks por diversas regiões de BH. 

Endereço: Av. do contorno, 1855 - Floresta

Telefone: (31) 9220-5990
Site: http://www.sorveteriauniversal.com.br/

Página do Facebook:  www.facebook.com/sorveteriauniversalbh/

Preço: pelo kg



4. INVENTIVA





A Inventiva separou um freezer inteiro somente com sorvetes veganos, os quais estão indicados com "0% lactose" nas placas. Alguns são à base de leite de soja, como o Choco Soja e o Banana Soja. A calda de chocolate também é isenta de ingredientes de origem animal. Os sorvetes não contém mono e diglicerídeos, gordura hidrogenada, corantes ou conservantes.


Endereço: Rua Grão Pará, 553, Santa Efigênia.

Telefone: (31) 3241-2342

Facebook: https://www.facebook.com/inventivasorvetes

Preço: R$ 62,90 por kg


5. GOCCIA DI LATTE



É uma gelateria italiana com sorvetes deliciosos. Não contém mono e diglicerídeos, gordura hidrogenada, corantes ou conservantes.


Não consegui contato via online, mas perguntei pessoalmente ao proprietério, o qual me disse que os sorbets são todos veganos - manga, amora, figo, papaya, melão, maracujá e limão siciliano. É preciso confirmar os demais sabores com o atendente, que podem variar a cada dia.

Endereço: Av. Álvares Cabral, 1039 - Lourdes

Telefone: (31) 9814-8614

Site: http://www.gocciadilatte.com.br/

Preço: R$10 o pote pequeno, R$12 o médio e R$15 o grande. 


6. ALESSA



Endereço: Rua São Paulo, 2112 - Lourdes

Telefone: (31) 3292-2588

Facebook: https://www.facebook.com/AlessaGelato

Site: http://www.alessagelato.com.br/

Preço: 
R$10 o pote pequeno, R$12 o médio e R$15 o grande. 




Além desses lugares, há opções veganas também para comprar: 

- Le Sorbet - 11 opções picolés veganos, exceto o de banana com mel e o de Nutella. 
Onde comprar em BH: http://www.lesorbet.eco.br/

- La Naturelle 
Os sorbets são veganos e orgânicos.
Onde comprar em BH: http://www.lanaturelle.com.br/loja/loja/listaLojas/MG/Belo%20Horizonte

- Sorveteria Pinguim Av. Brasil c/ Rua Timbiras (os sorvetes veganos estão indicados em uma plaquinha)


Obs:  A lista está em construção, já que a cada dia que passa, surgem mais opções. 


Por que não consumir leite? 

Em um copo de leite há tanto sofrimento quanto em um pedaço de carne. A vaca para produzir leite precisa estar constantemente grávida, o que significa que vai ser preciso arrumar um destino para o bezerro toda vez que se quiser produzir leite. E esse destino é sempre o abatedouro. O bezerro também será separado de sua mãe logo quando nascer para que não beba parte do leite. Os animais não deveriam ser considerados produtos ou objetos para uso humano. Mesmo em produções caseiras pequenas e para uso próprio, os animais são comprados, explorados e mortos no final – até o momento nunca ouvi falar de alguém que enterrasse uma vaca de velhice.