Mostrando postagens com marcador Lanches. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Lanches. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Snack Box de Julho da Veggie Box


A Veggie Box lançou neste mês a primeira caixa de assinatura de lanches veganos do Brasil.

A proposta, a meu ver, atende principalmente as pessoas iniciantes no veganismo que querem conhecer melhor marcas e produtos adequados para veganos e/ou quem não tem acesso aos produtos por morar em cidades pequenas. E, claro, a assinatura também atende quem já consome esses tipos de produtos e procura pela comodidade em recebê-los em casa.

Os produtos recebidos nesta edição foram:

  • Macarrão de arroz da Tui Alimentos
  • Antepasto da Legurmê
  • Cookies integrais da Mãe Terra
  • Salgadinho de soja Soytoast da Jasmine
  • Sopa Natural Madá da Mãe Terra
  • Cookies integrais da Jasmine
  • 2 barras de frutas desidratadas Nutra Vita


Antepasto de abobrinha, tomate e ervas da Legurmê



Os antepastos podem ser usados tanto como entradas para acompanhar pães e torradas, como acompanhamento ou molho para massas e saladas, tapiocas etc. Ficam muito saborosos como petiscos e podem ser considerados saudáveis, já que não contém conservantes e são pouco calóricos (25 kcal e 103 mg de sódio em 1 colher de sopa).

Fiz esses pães torrados com o antepasto de abobrinha, tomate e ervas para minha mãe e ela adorou e até pediu pra eu comprar mais! Não conhecia a empresa e infelizmente ainda não tem aqui em BH.


O site da Legurmê é: http://legurme.com.br/


Sopa Natural Madá da Mãe Terra



A sopa em pó da Mãe Terra eu já encontro com mais facilidade. Ela não contém conservantes, nem glutamato monossódico, tem 59 kcal e é realmente uma delícia. Já experimentei todos os sabores e gostei muito deles. É um ótimo quebra galho para tomar antes de dormir por exemplo. Eu também gosto de colocar uma colher de quinoa em grãos cozida e misturar na sopinha.


Só não curti tanto os cookies integrais de frutas vermelhas da Jasmine. Eu não sou fã de cookies, tento evitar açúcar e achei eles muito doces e um pouco enjoativos. Mas é questão de gosto mesmo. Já as barrinhas de frutas desidratadas não contém açúcar.

No geral, são lanches práticos para levar na bolsa ou fazer em casa sem deixar de ser saudável. Se você já conhece razoavelmente produtos adequados para veganos e tem acesso a eles, acredito que a Snack Box não seja tão interessante.


Para saber mais sobre os planos de assinatura mensal e semestral visite o site da Veggie Box.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Dicas de como manter a dieta vegana em viagens


Estamos na época em que muitas pessoas viajam durante o carnaval. Na maioria das vezes, o destino é uma cidade do interior, onde nem sempre há muitas opções de comidas veganas.  

Viajar e manter a dieta vegana pode ser desafiador quando não se está preparado. Dependendo de onde você está indo, as opções veganas podem ser abundantes ou inexistentes. Mas até mesmo nas cidades mais precárias em termos de veganismo é possível se manter vegano, uma vez que quase todos os destinos terão um mercado com frutas, legumes, castanhas, pães e alimentos básicos, sendo facilmente complementada com alimentos levados de casa. Cidade pequena ou não, o melhor a se fazer para não passar apertos (e fome) é preparar sua própria comida e levar alimentos de casa ao invés de confiar na sorte de encontrar restaurantes "vegan-friendly".

Como se preparar para uma viagem?

Para viagens mais curtas de um ou dois dias, você pode passar a estadia sem precisar recorrer a restaurantes. Nesse caso, dá para depender de frutas, sucos, sanduíches preparados em casa, barras de cereal e shakes proteicos em pó levado na coqueteleira. Os shakes proteicos à base de proteína vegetal isolada de soja, arroz ou ervilha nutrem as necessidades proteicas e dão sensação de saciedade.

Já quando a viagem dura vários dias, é preciso pensar antes em alguns fatores.

O primeiro passo é definir se você terá autonomia para cozinhar sua própria comida ou vai depender de almoçar e jantar em restaurantes. 

1) Caso não possa cozinhar, tente descobrir antes pela internet se há algum restaurante com opções de comidas veganas. Veja se existem lojas de produtos naturais ou lanchonetes com pegada mais saudável, onde geralmente há produtos veganos. Caso não encontre nada, leve o máximo de comidas industrializadas/não perecíveis que puder. A maioria dos restaurantes oferece o básico arroz, feijão e salada. Tente escolher um que não cometa crimes como colocar bacon no feijão ou frango desfiado na salada. O restante você provavelmente terá que levar para complementar. Nesse tipo de situação, eu costumo comer depois na casa/pousada/hotel algo rico em proteínas como tofu, PTS preparada anteriormente, enlatados da Superbom etc. Mas para isso é preciso uma geladeira para conservar ou até um isopor com gelo resolve.

Vista de rua da cidade histórica de Ouro Preto, em Minas Gerais
Os restaurantes de cidades históricas geralmente são muito conservadores e apegados à tradição da comida local, sempre farta em alimentos de origem animal. Foto

Há algumas situações como se hospedar em hotéis isolados (como o Overlook hehe) ou fazer um cruzeiro marítimo, por exemplo, nas quais você deve levar comidas. A não ser que faça amizade com os cozinheiros e peça para fazerem refeições especiais veganas (seria lindo se isso fosse possível), é provável que não encontre opções veganas.

Snacks, biscoitos e salgadinhos são super fáceis de encontrar e quebram um galho na hora do aperto. Exemplos veganos: Cebolitos, biscoito waffer de chocolate e cracker da Bauducco, Doritos Sweet Chili/Taco Mexicano/Dippas, Club Social tradicional/Integral, Nutry de castanha, paçoquita, batata e mandioca frita etc.

2) Quando existe a possibilidade de cozinhar durante a estadia, é mais fácil de se alimentar melhor sem depender de restaurantes. 

Eu não costumo ligar em manter a alimentação super saudável em viagens, já que serão só alguns dias e logo volto à rotina. Essa é a minha sugestão de mala de comida para complementar com frutas, verduras e legumes e cozinhar:


- Castanhas
- Glutadela
- PTS
- Caseirito 
- Veg Bar
- Catchup e mostarda
- Bisnaguinha integral da Wickbold
- Achocolatado de soja da Alpro
- Salsicha vegetal da Superbom
- Feijoada e lentilhada vegetariana (<3)
- Chocosoy
- Geléia
- Suco

Não saiu na foto, mas merecem a menção:
- leite de soja em pó da Olvebra (Omega)
- Proteína isolada de ervilha da Natural Science
- pasta de amendoim First
- pão sírio 
- pasta de grão de bico enlatada

Durante o trajeto da viagem, leve na bolsa: banana, castanhas/nozes/avelã, barra de cereais, cookies, proteína isolada em pó ou sanduíches de pão com pasta de tofu, tomate, alface e glutadela/hambúrguer vegetal etc.

Fonte da imagem:

terça-feira, 8 de julho de 2014

Resenha | Proteína isolada do arroz - Natural Science


Quem acha que a proteína isolada de arroz não é de boa qualidade para ganhar músculos está enganado! No ano passado foram feitos testes conduzidos por um professor da USP e outros da universidade de Tampa, nos EUA, que resultaram em um estudo publicado na revista científica "Nutrition Journal". Este estudo mostrou que a proteína isolada do arroz era capaz de alcançar os mesmos resultados que o Whey (proteína isolada do leite de vaca) quando comparados os ganhos de massa muscular.

Eu poderia ficar aqui falando até amanhã de como como consumir whey é antiético, dos seus possíveis malefícios à saúde, como câncer de próstata ou câncer de mama, mas vou focar o post na proteína do arroz da Natural Science.

O arroz por si só não é uma fonte rica de proteína (contém 4g de proteína em 50g de arroz cru), mas a proteína isolada do arroz possui um ótimo perfil de aminoácidos, composto por aminoácidos essenciais e pelos principais aminoácidos que formam os músculos e ajudam na recuperação pós treino, os chamados BCAA (Leucina, Isoleucina e Valina).

Organic Rice: 68 kcal e 11,5 g de proteína em uma porção de 15 g = ~ 80%


Comparação do perfil de aminoácidos Rice Protein x Soy Protein
Quem tem alergia à soja, não gosta do gosto, pode substituir pelo suplemento de arroz perfeitamente


Eu já tinha ouvido falar na Max Rice Protein através dos patrocínios a veganos (o que é muito legal da parte da empresa), mas até então eu só consumia a proteína isolada de soja. Algumas PIS, quando não são adoçadas e aromatizadas, possuem o gosto muito amargo, chegando a ser intragáveis pra mim (tem que tapar o nariz e virar!), tal como qualquer proteína isolada a 80 e 90%. Ultimamente andei tomando a proteína isolada de arroz orgânica sem sabor - Organic Rice in Natura - da Natural Science e achei o gosto menos amargo e mais neutro que o da soja. Gosto é pessoal e eu não curto tomar nenhum tipo de proteína isolada pura. Acho que todas tem um gosto amargo, até as consideradas top de linha, como a da Optimum Nutrition e da Integral Médica, que são aromatizadas. No entanto, a proteína de arroz misturada ao Hiper Rice Gainer dá um gosto bom e é super tranquilo de tomar e incluir em receitas, mas não vá esperando que não tenha um gostinho amargo de fundo. Os suplementos que possuem aromas artificiais possuem um gosto melhor para tomar pura.

O Hiper Rice Gainer é uma mistura de dextrose, maltodextrina e várias vitaminas. Estou usando no pós treino. Para quem é muito magro e quer ganhar peso com qualidade (leia-se músculos), considero uma ótima opção. O gosto é docinho e parece suco de abacaxi.





É possível ser vegano e obter massa muscular sem suplementos? Sim! No entanto, eu gosto de tomar esse tipo de proteína pela praticidade e por ser proteína pura, isenta de gorduras e carboidratos. Além disso, na minha opinião, é muito mais fácil tomar um suplemento contendo 30 g de proteína do que comer grandes quantidades de feijão, tofu ou proteína texturizada de soja, por exemplo, para alcançar esse valor.

Mesmo que você não faça musculação, usar suplementos em pó pode ser uma mão na roda. Quando fico fora de casa por muito tempo e as opões proteicas veganas são inexistentes (ex: viagens ao interior, em festival de música etc), coloco o pó na coqueteleira ou num saquinho e levo na bolsa. Daí é só acrescentar água e mandar pra dentro. O pó não estraga se deixado na coqueteleira por vários dias. As proteínas saciam e são ótimas aliadas para quem quer emagrecer.


Há também formas de consumir os suplementos através de paquecas, smoothies, barras de cereais, no creme de açaí etc.

Dessa forma, os suplementos de proteína em pó são bastante úteis, tanto para adicionar proteínas na alimentação de forma fácil, como para levar para tomar fora de casa.

Essas foram as minhas receitas usando a proteína de arroz e o hiper rice gainer:

Smoothie de polpa de framboesa, banana, cereais e proteína isolada de arroz + hiper rice gainer 

"Açaí Maromba" do Vegetarirango

Panquecas proteicas com Rice Protein, farinha de aveia, farinha de trigo integral e linhaça + 1 cc de vinagre + 1/2 cc de bicarbonato de sódio e 1/2 cc de fermento químico no lugar do ovo. Pepe aprovou!


Eu recebi da Natural Science para considerações no blog. Dá para comprar os produtos no site Top Body. (nem tudo na loja é vegano). Tá rolando uma promoção bacana de combos que valem muito a pena.

Em breve eles serão vendidos na Terra Vegana em BH.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Receita | Pizza de "calabresa" vegana

Dica de pizza para comer cozamigos! A cara de quem come carne e experimenta essa "linguiça" veggie da Goshen é hilária! Além do visual ser super parecido com uma linguiça de carne, ela surpreende pelo sabor e pela textura.

Fiz algumas pizzas variando o "queijo" vegetal. É possível fazer com diversos tipos de queijos, como o tofupiry, o mandiokejo e a mozzarella da Tofutti.

versão com mozzarella vegana da Tofutti - foto da querida leitora Letícia Grassi
versão com queijo americano tipo cheddar da Tofutti


Ingredientes da massa

- 2 xícaras de farinha de trigo (poderá ser usada mais farinha para sovar a massa)
- 1 dedo de um copo de óleo vegetal (ou o quanto preferir)
- Pitada de sal e açúcar
- 100g de fermento biológico fresco (pode ser do seco também - 2 pacotinhos)
- 1/2 copo de água, cerveja ou água com gás (de preferência em temperatura morna)

Misture todos os ingredientes até desgrudar da mão e forme 2 bolas. Caso continue grudando, acrescente mais farinha. Deixe a massa descansar por 30 minutos coberta por uma toalha. Depois modele a massa em forma de disco, forme uma borda e coloque em uma assadeira untada com farinha. Leve ao forno pré aquecido por 10 minutos. Tire do forno, acrescente o recheio e volte com ela para assar até a massa dourar.

Em dias de preguiça, eu peço uma pizza vegetariana sem queijo por telefone, certificando que não há leite ou ovos na massa e preparo o queijo em casa. Ex: pizza do Domino's. 

Recheio

- 1 linguiça vegetal da Goshen - Veggie [comprei na Terra Vegana em BH. Tem também na loja Com Gentileza. É possível encontrar em supermercados como o Supernosso e no Verdemar.
- Mandiokejo, tofupiry ou fatias de mozzarella da Tofutti 
- 1/2 xícara de molho de tomate (caseiro ou de caixinha)
- manjericão, orégano, milho, pimentão, palmito, pimenta etc a gosto
- Tofu defumado ralado da Ecobrás (opcional)

Preparo

Pincele o molho de tomate sobre a massa, acrescente o "queijinho" vegetal de sua preferência e salpique o tofu defumado junto com as ervas. Corte as linguiças em rodelas e distribua sobre a pizza. Leve ao forno por aproximadamente 20 minutos e seja feliz!

Se quiser que as linguiças estejam mais crocantes, deixe-as torrando no forno em um tabuleiro antes de colocar na pizza.

versão com tofupiry e tofu defumado




quarta-feira, 26 de março de 2014

Bio Carioca: Restaurante com opções veganas no Rio

Quem morar ou estiver em Copacabana no Rio de Janeiro, tem a opção de se alimentar de forma ética e saudável no restaurante Bio Carioca.

Descobri o restaurante por acaso, quando passei em frente a um quadro que me chamou a atenção com as palavras mágicas: "vegano" ou "vegetariano". Entrei e fiquei encantada com o cardápio, repleto de opções veganas, tudo indicadinho com uma bolinha verde na frente para pratos veganos:


O restaurante é ovo-lacto-vegetariano, trabalha com prato do dia, à la carte e possui diversas opções veganas. A proprietária é vegetariana, super simpática e solícita, nos mostrou o restaurante inteiro, inclusive o andar de baixo, que por incrível que pareça, era um açougue!

Um dos garçons é vegano e soube explicar bem como funciona os pratos do dia e sobre as pizzas veganas, feitas com mandiokejo ou tofu e massa isenta de leite e ovo.



As pizzas são servidas somente de quarta à domingo, a partir das 19 h e fica aberto até a meia noite!

Eu acabei pedindo pizza porque não é todo dia que a gente tem opção de comer pizza vegana fora de casa. Essa é a pizza marguerita com mandiokejo (ao invés de muçarela), massa integral e crocante (R$18,90):


E a pizza de shitake, nirá e mandiokejo, igualmente deliciosa (R$29,90):


Esqueci de tirar foto, mas eu ainda comi um sorvete de milho verde vegano *maravis*! Infelizmente eu não lembro do nome da marca.

Os preços não são os mais convidativos, mas já era de se esperar por se tratar de orla do Rio. Eu achei que valeu a pena pela qualidade da comida e do ambiente do restaurante.


Localização:
Rua Xavier da Silveira, 28A Copacabana - RJ
Tel: (21) 2236-4125
www.biocarioca.com.br
https://www.facebook.com/biocarioca?fref=ts


terça-feira, 1 de outubro de 2013

"Nutella" vegana! Substitutos e receita

Um dia me falaram que não conseguiriam virar veganas porque amavam Nutella e Haagen Dazs. O sorvete pode ser substituído pelos sorvetes veganos da empresa Tofutti. E vou mostrar aqui 3 opções de "Nutella" vegana. Mas aconselho a não comer achando que o sabor vai ser idêntico. Imagine que é uma coisa gostosa e só.



1. Creme de avelã da Monama
Não é tão cremoso quanto o da Carob House, mas lembra mais a Nutella.



Comprei no site da Monama. Vende na loja Fito em BH. R$26 - 200g.

2. Alfarroba com creme de avelã
Não contém cacau nem açúcar. É o mais saudável e cremoso. Tem um gostinho de cappuccino. Esses chocolates de alfarroba são surpreendentes! O "prestígio" da Carob House é imbatível.


Comprei no Mundo Verde. Mas já vi pra vender no Mercado Central em BH. R$18 - 150g.

3. Receita de creme de avelã caseiro


Fonte: Vista-se

Ingredientes

1 xícara de avelãs torradas e sem pele
115 g de chocolate amargo derretido* (Sugestões: Dia e Arcor)
2 colheres de cacau em pó
1/2 xícara de açúcar refinado
1/2 colherinha de extrato de baunilha
Umas gotas de óleo vegetal (opcional)

Preparo

Torre as avelãs no forno e deixe-as esfriar para depois tirar a pele. Não é preciso retirar toda a pele, mas sim um pouco. Coloque as avelãs num processador de alimentos até que fiquem como um creme. Depois adicione o chocolate derretido, o cacau, o açúcar e a baunilha, sem deixar de processar os alimentos. Se ainda não chegou à consistência desejada, como a da Nutella comprada, adicione poucas gotinhas de óleo vegetal e processe até que chegue à consistência. Em seguida, coloque num pote de vidro e depois na geladeira.

Dica – É importante não colocar muito óleo, porque a nutella caseira pode ficar muito oleosa, perdendo seu delicioso sabor.

Fonte: Sabores do Chef Via Cantinho Vegetariano

*Certifique-se de adquirir um chocolate que não tenha nada de origem animal e que não pertença à marcas que testam animais.


Agora bora correr uns 6 km?

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Misto quente vegano





Confesso que não tenho capacidade de elaborar receitas, mas de vez em quando eu tenho algumas ideias de lanches. Dessa vez eu usei um pão de forma integral 16 grãos com Mandiokejo (que fica com a textura parecida com a de muçarela) e um presunto defumado da Goshen.

Nem todos os produtos da Goshen são veganos. Quando algum produto é vegano, vem escrito "sem lactose e ovo", como é o caso desse presunto. Além do presunto defumado, o kibe, a nata de soja e o rolinho de soja são isentos de leite e ovos.

Para fazer o Mandiokejo é muito simples. No rótulo tem a explicação passo a passo de como hidratá-lo. Eu acabo colocando bem menos azeite que o recomendado, por isso fica menos cremoso. Mas vai da preferência de cada um.

Coloquei pra assar na frigideira as fatias de presunto por 3 minutos. Enquanto isso, passo a pasta de mandiokejo no pão (como se fosse requeijão). Depois montei o misto quente e coloquei em uma sanduicheira.



Fica parecendo pão com pernil, mas com muito menos gordura!



Comprei o presunto Goshen no Restaurante Vegetariano San Ro em BH e custou R$11 (300 g).

O Mandiokejo é vendido neste site por R$20 (500 g rende até 3 kg depois de hidratado).

Informação nutricional:

Presunto Defumado Goshen
Ingredientes: Proteína texturizada de soja, água, extrato de soja, glúten, óleo de soja, polvilho doce, amido de milho, farinha de trigo, açúcar, sal, umectante sorbitol, shoyu, aroma natural, condimento para presunto defumado. Contém Glúten.



















Mandiokejo
Os ingredientes são: mandioquinha desidratada, fécula de mandioca, feijão branco em pó, sal marinho e ácido cítrico, além das vitaminas.


domingo, 4 de agosto de 2013

"Fui convidada para um churrasco, e agora?"


Você não come carne. Uma situação bastante comum é quando um colega, amigo ou familiar faz um convite para um churrasco. Todo vegano e vegetariano já passou ou vai passar por essa situação constrangedora. Muitos tem dúvidas sobre como devem lidar com o convite. 

Deve dizer: "não, obrigada, não como carne"? Mas um churrasco não é apenas comida, é um evento social.

Apesar de eu achar a decisão pessoal, vou fazer uma abordagem a partir das situações prováveis de acontecer. Existem outras situações que merecem atenção e cuidado, como natal, ir a restaurantes com a família, colegas ou amigos, viagens, mas abordarei esses temas especificamente no futuro. 

O que fazer quando nós somos convidados a ir a um churrasco? A minha opinião pessoal é: não ir. Eu não me sinto a vontade participando de um evento 100% baseado em pessoas se divertindo às custas de pedaços de animais, se divertindo às custas da tortura alheia. Nesse caso, há duas saídas: uma é dizer na cara que você é vegano e que não tolera esse tipo de festa que faz apologia à carne. Outra é inventar uma desculpa esfarrapada, tipo "não estou me sentindo bem hoje".

Infelizmente, eventualmente não há como não ir (situações profissionais, por exemplo). Ou então, pode haver um desejo muito grande de participar do evento social, como um encontro de uma antiga turma de escola ou aniversário da avó idosa.

Caso a escolha seja por participar, a principal preocupação do vegano deve ser: não queimar o filme! Não seja o bobo da festa que só come arroz com salada enquanto todos se divertem comendo as mais diversas comidas saborosas. 

O vegano será o centro das atenções. Todos os presentes, ao saberem que vc é vegano, farão a pergunta: mas o que vc come? E, por terem pouco conhecimento sobre como é a vida e alimentação de um vegano, ficarão te observando. Preconceitos virão à tona, como "tem uma saladinha ali de alface com azeitona que vai te agradar. Enquanto isso eu vou me deliciar nessa picanha!". Como poucas pessoas conhecem e simpatizam com o veganismo, as suas atitudes serão fundamentais para diminuir o peso negativo que existe sobre o tema, ou então vc irá apenas reforçar estereótipos negativos e, com isso, afastará ainda mais as pessoas.

O que fazer pra não queimar o filme? 

Existem 2 tipos de churrasco: o churrascão na casa de alguém ou em uma churrascaria. Como a ideia é evitar situações que queimem o filme do veganismo, ir em churrascaria não vai ajudar muito. Vc não vai poder levar lanche de casa. Resultado: só vai sobrar aquele bufê com azeitona a palito e palmito em conserva, o que reforçará o estereótipo negativo de que a alimentação vegana é restritiva, só resta salada pra comer, que veganos se contentam em almoçar palmito com tomatinho cereja... Como não há nada que o vegano possa fazer para evitar essa situação embaraçosa, o melhor a fazer é não ir! Evite a todo custo se colocar nesse tipo de situação!



Mas por outro lado, caso decida ir num churrasco na casa de alguém, aí já dá pra fazer algo (preparar rangos em casa e levar).

Sugestões de comidas para se levar em um churrasco: 

- Espetinhos vegs (o Flavio do Vegetari Rango fez um vídeo super divertido com receita de espetinhos)
- Espetinhos de PVT (receita do Cantinho Vegetariano)
- Tempeh (outro vídeo divertido, agora do Vegan Zombie em inglês, preparando tempeh)
- Dicas do Vista-se
- Mini Búrgueres de Soja e tofu defumado da Samurai
- Maionese vegana (Superbom)
- Farofa (Yoki ou farinha de mandioca)
- Pão de alho (receita do Cantinho Vegetariano)
- Cogumelos, pimentões, batata, abobrinha, milho, beterraba, aspargos, cebola, berinjela etc




Conclusão: o vegano é a maior propaganda do veganismo que existe. Não adianta falar da tortura de animais quando a solução apresentada é comer azeitona. O veganismo tem de ser atrativo e é aí que a atitude correta do vegano pode ajudar. Não adianta nada vc ser um vegano 100% puritano, de bem com a sua consciência, enquanto as suas atitudes no final das contas acabam afastando as pessoas do veganismo. O resultado será uma pessoa com a consciência tranquila e outras trilhares de pessoas se sentindo repelidas pelo veganismo e, consequentemente, mais animais sofrendo. Se o objetivo for salvar animais, é necessário mais pessoas veganas, e para isso precisamos da propaganda correta. Demonstrar a viabilidade do veganismo através das nossas ações é mais efetivo do que belos discursos seguidos de uma péssima propaganda. E eu não vejo propaganda pior que aceitar comer arroz com vinagrete em público, enquanto outros se divertem comendo animais.

Obs: Se for levar comida, prepare-se para dividir com os outros. Muitos se interessarão em experimentar a comida vegana.

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Sugestões de Lanches Veganos

Lanchar fora de casa é complicado na maioria das cidades do Brasil. A não ser que você não se importe em comer besteiras todos os dias, como salgadinhos (batata frita, cebolitos, stiksy etc) o ideal é levar um lanche de casa. Dificilmente encontro lanchonetes com opções veganas mais saudáveis, seja em colégio, faculdade, trabalho ou aeroporto. Frutas e sucos são opções saudáveis, mas não sustentam durante muito tempo. Deve-se ter em mente que o que sustenta e alimenta é a combinação de alimentos ricos em proteínas e carboidratos (e gordura saudável). E é praticamente impossível encontrar lanches em cantinas e lanchonetes que sejam ricos em proteínas vegetais!

Selecionei algumas opções de lanches para, quem sabe, ajudar quem se tornou vegano há pouco tempo e tem dificuldade em saber o que levar de lanche. 

Sugestão 1



- Coloco 2 colheres de sopa de leite de soja em pó numa coqueteleira e depois é só ir no bebedouro e acrescentar água. Pode levar num saquinho zip lock e colocar em um copo também, caso não tenha coqueteleira. O leite de soja da Olvebra é rico em proteínas, tem pouca gordura e é muito gostoso.
- A Vitao e a Jasmine tem biscoitos muito bons e saudáveis! A maioria é vegano, mas alguns levam leite e ovos. Tem que ler o rótulo para garantir.
- Barrinha de cereais Nutry Clássico e Fitfibras são veganas. 
- Paçoquinha, mexerica, banana e mix de castanhas e frutas secas. 


Sugestão 2 


- Iogurte Naturis da Batavo 
- Barrinha de cereal da Woman Care (somente essas 2 da foto são veganas)
- Frutas 
- Mix de castanhas, amêndoas, amendoim etc
- Biscoitinho salgado integral (Pitstop, Club Social)

Sugestão 3


- Suco ou creme de açaí com granola e banana, que são  vendidos em algumas lanchonetes.
- Pão de queijo vegano caseiro ou pão de soja vegano da Mega Matte


Sugestão 4


- Pão com pasta de grão de bico + tahine (hommus). Pode acrescentar cenoura, tomate, tofu etc.
- Suco com leite de soja Soyos da Su Fresh  A fórmula mudou e agora tem corante cochonilha!
- Cookies de chocolate da Taeq (ou um cookie vegano caseiro. Receita: http://chubbyvegan.net/receitas/cookies-com-gotas-de-chocolate/)
- Fruta
- Goiabinha da Bauducco


Sugestão 5


- Soylait da Jasmine em pó. Fazer o mesmo esquema que a sugestão 1 na coqueteleira ou copo.
- Biscoito Bauducco de chocolate, brigadeiro ou avelã (não contém nada de origem animal)
- Salgadinho integral da Mãe Terra
- Salada de frutas (vendida em algumas lanchonetes)