Mostrando postagens com marcador Surya. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Surya. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

10 Substitutos veganos para produtos da Victoria's Secret

Há uns 10 anos eu era meio obcecada com os hidratantes e perfumes da Victoria's Secret. Lembro que as embalagens continham no rótulo a menção de que não testavam em animais. No entanto, após ver que não havia mais o símbolo do coelhinho nem a frase de não testado, enviei um e-mail ao SAC da VS e a resposta pode ser vista nesse post. Na contramão da ética, a empresa regrediu e começou a financiar testes em animais.

Para quem gosta de cremes e perfumes docinhos, o site da PETA publicou uma lista com produtos substitutos aos da Victoria's Secret (todos cruelty free e alguns veganos, apesar de algumas das marcas citadas pertencerem à empresas que testam) que lembram algumas das fragrâncias usadas pela marca. Baseando nesse post, fiz uma seleção de produtos nacionais veganos e fáceis de encontrar, que possuem fragrâncias docinhas e semelhantes:


1. Hidratante corporal Sapien Women da Surya



2. Hidratante corporal Maria Luminosa da Farmaervas



3. Hidratante corporal Romance da Feito Brasil



4. Body Splah Angels e Fantasies da Vizcaya



5. Mousse corporal Encantos do Rio da Feito Brasil




6. Perfume e Banho perfumado da Mahogany



7. Perfume Simply Pink da Aquolina


 

8. Hidratante corporal Sweet da Giovanna Baby 




9. Hidratante e barras de massagem (Shimmy e Strawberry Feels Forever) da Lush





10. Body Splash da Contém 1g




Como eu sei que eles são veganos? 
Algumas das empresas alegaram publicamente e nos rótulos que não testam em animais nem utilizam ingredientes de origem animal nesses produtos (Surya, Feito Brasil, Lush e Farmaervas). Outras responderam não testar nem utilizar ingredientes de origem animal nesses produtos por meio de SAC (Giovanna Baby, Contém 1g e Vizcaya) e outras alegaram não testar em animais e, pelos ingredientes dos produtos citados nesse post, inferi que não há ingredientes que possam ser de origem animal (perfumes da Mahogany e Aquolina).


Quem puder comprar fora do Brasil, é possível encontrar produtos da Pacifica e da Desert Essence no site iherb.com. Eles também contém fragrâncias deliciosas e são todos veganos e naturais.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Resenha | Ritual Box de Agosto

 Para quem ainda não conhece: a Sublime Rituais é um serviço de assinaturas de caixas com produtos de beleza, as quais seguem um determinado tema a cada mês. Todos os produtos são veganos e preferencialmente naturais e orgânicos. As resenhas das edições anteriores podem ser vistas nesse link.


A Ritual Box da Sublime teve a edição especial com curadoria da Karina Viega, do blog Acorda Bonita!. Achei que a escolha dos produtos foi super válida porque tenho certeza que eles não vão ficar encostados na gaveta, são todos úteis. Em outras oportunidades, já tinha conhecido todos eles, com a exceção do óleo de coco Palmiste da Laszlo, apesar de já ser adepta há anos do óleo de coco comum.

Os produtos dessa edição foram:


Óleo de Coco Palmiste da Laszlo




Não sei se vocês sabem, mas o óleo de palma produzido fora do Brasil pode ser proveniente da Indonésia e Malásia. Cerca de 90% de todo óleo de palma produzido no mundo vem desses países. O problema é que várias florestas nesses países são desmatadas (leia-se: são queimadas) para dar espaço para as plantações de palma. E nessa, o habitat de orangotangos é destruído, fazendo com que a espécie esteja atualmente ameaçada (Fonte).

Me parece que no Brasil a produção de óleo de palma não é destrutiva (fonte) e aqui não existem grandes primatas nativos. Por essa razão, sempre que for comprar algum produto importado, verifique se o cultivo de palma é orgânico, de preferência certificado. Dê preferência também aos óleos de palma de origem brasileira.

Felizmente esse óleo de palmiste da Laszlo (Elaeis Guineensis Palm Kernel Oil) é de cultivo orgânico do Brasil. Ele é refinado, por isso não possui cheiro, mas suas propriedades permanecem as mesmas, sejam cosméticas ou nutricionais.

O que mais me chamou a atenção nele foi essa embalagem. Por um lado, ela foi pensada para aquelas pessoas que colocam o mãozão dentro do pote de óleo (o/) e acabam o contaminando, mas mesmo num calor de 30 graus, o óleo permaneceu sólido. Por essa razão, achei a embalagem pouco prática, já que para retirar o óleo, precisamos usar uma espátula/colher ou aquecê-lo em banho-maria.

Eu usei para fazer umectação, deixando o óleo de palmiste em todo o cabelo, inclusive na raiz, antes de dormir e retirei ao acordar, lavando o cabelo normalmente com shampoo e condicionador. Senti a mesma sensação de cabelo sedoso e brilhante que normalmente sinto com o óleo de coco de praia. Também usei como hidratante corporal e tive a mesma impressão, com a diferença de ser totalmente inodoro. Dessa forma, quem se incomoda com o cheiro de coco (existe alguém?), o óleo de palmiste é uma opção. Além disso, ele pode ser ingerido e usado em receitas salgadas sem que o gosto do óleo interfira.

Qual óleo é o melhor: o de coco de praia, babaçu ou palmiste? Depende. Para o meu cabelo, achei que o óleo de babaçu ganhou (pareceu que "penetrou" melhor nos fios, sem pesar). Por outro lado, amo as minhas preparações com óleo de coco de praia por causa do cheiro. Mas se eu fosse escolher um para comprar, tentaria encontrar o mais barato, já que os 3 são excelentes.

Já conhecia os óleos essenciais e vegetais da Laszlo (eles são daqui de BH) e todos são de ótima qualidade, super confiáveis.

Máscara Fixação da Cor da Surya



Na minha opinião esse é o melhor produto da Surya. Considero que, pela composição riquíssima, é um excelente custo-benefício. Ela não contém parafina nem silicones, sendo indicada para adeptos do "no poo". Uso há anos e sempre faço estoque. Já falei sobre essa máscara nesse link, mas resumindo, costumo usar como condicionador (sem necessariamente deixar no cabelo por 15 minutos como recomenda o rótulo). Também costumo usá-la misturada com outros condicionadores, pelo fato de ela ser muito emoliente.

Se o seu cabelo é tingido ou danificado, a máscara pode ser usada no cronograma capilar junto à outras máscaras reconstrutoras, hidratantes ou nutritivas, dependendo do quão danificado o cabelo esteja. Caso seja um cabelo normal, com pontinhas levemente ressecadas, essa máscara dá conta do recado sozinha.

Fluido Hidratante Facial da Feito Brasil



O hidratante facial pertence à linha Segredos de Camarim. Segundo a descrição: Contém silício orgânico que restaura a elasticidade, tonicidade e firmeza da pele, além de hidratar de forma intensa. Contém seda de arroz e tapioca que conferem um toque seco e suave, transmitindo efeito mate e sensação aveludada à pele. Com proteínas de soja e trigo e extrato de aveia que promovem nutrição e maciez.

Na minha pele mista/oleosa/sensível com tendência à acne, o fluido deixa a pele sequinha, segura a oleosidade por pouco tempo e deixa a pele macia e bem hidratada. Tem um perfuminho floral/frutal muito agradável.

Eu aproveitei pra fazer um primer facial caseiro usando este hidratante + argila branca. Quem tem pele oleosa, vai gostar!

Tenho um carinho grande pela empresa Feito Brasil, que é totalmente vegana! Adoro as embalagens, as homenagens às paisagens e à cultura brasileira. Ia AMAR se começassem a produzir maquiagens.



Amostras: hidratante corporal da Feito Brasil (linha Essência Musical), hidratante e esfoliante da Surya (linha Sapien Women).

O hidratante corporal da Feito é levinho, não pegajoso, absorve rapidamente e tem cheiro docinho suave, apesar de não achar uma delícia. Ele é mais adequado para o clima quente. A bisnaga fofa vai pra necessaire de viagem.

Já o da Surya, é mais denso, tem a composição totalmente natural e orgânica. O perfume é predominantemente doce de baunilha, coco e framboesa = viciante. A linha Sapien é super cara, mas são cosméticos naturais orgânicos de ótima qualidade, super cheirosos e hidratantes. Ah, e o esfoliante corporal é a base de casca de coco!

Quem quiser saber mais sobre a Ritual Box, comprar os produtos separadamente e saber sobre os planos para assinatura, visite o site: http://sublimerituais.com.br/


Os produtos neste post foram enviados pela representante da Sublime para considerações voluntárias no blog. Todas as minhas opiniões são 100% honestas e nenhum produto receberia uma avaliação favorável, a menos que tenha fornecido resultados favoráveis. 

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Produtos que eu não compraria de novo


Às vezes eu sinto que alguns produtos não valeram a pena o investimento. É tão chato jogar dinheiro fora que eu resolvi mostrar aqui alguns produtos que eu não gostei e não compraria novamente. Talvez ajude quem esteja com dúvida em comprar. E é importante dizer que eles não deram certo comigo (seja pela cor errada, pela ineficácia, pelo cheiro etc), mas podem dar certo com outra pessoa. De qualquer forma eu vou dizer os motivos de não terem dado certo e explicar com argumentos do porquê de não querer comprá-los novamente. Não tenho absolutamente nada contra as marcas, apenas não gostei dos produtos em específico.



1. Gel esfoliante orgânico da Cativa Natureza
Eu não sei porque ainda compro esfoliantes, já que é possível encontrar os melhores esfoliantes na nossa cozinha (café, aveia, fubá, açúcar etc).
Esse esfoliante da Cativa é vegano e possui a formulação muito rica, composta por ingredientes naturais e orgânicos, mas os grânulos são muito fininhos e não fazem um trabalho eficaz em esfoliar bem a pele do rosto. Não sinto que ele remove as células mortas nem os pontos pretos. Além disso, eu acho que ele sensibiliza demais a minha pele, de forma a deixá-la toda vermelha e ardendo. Enfim, se você busca um esfoliante facial para ativar a circulação do rosto, experimente usar o fubá ou a aveia no rosto com movimentos circulares. Para remover células mortas e pontos pretos, faça máscara de argila verde que é mais eficaz que esfoliantes comerciais.

2. Primer de olhos na cor champagne da Elf
Quando comprei esse primer, achei que fosse ser um primer de olhos com a proposta similar ao primer potion da Urban Decay na cor "Sin". Mas não! Ele possui partículas de brilho enormes, tão grandes que qualquer sombra aplicada em cima não faz essas partículas sumirem. A não ser que você queira esse efeito nada discreto de sombra disco ball de criança de 12 anos, eu não acho que ele seja um primer que valorize a pálpebra ou a sombra. Ainda bem que só custou 1 dólar!
Obs: o primer mineral da Elf, por outro lado, possui pigmentação clarinha opaca e é um dos meus preferidos.

3. Máscara incolor para cílios e sobrancelhas da Elf
Esse rímel incolor não faz absolutamente nada com os meus cílios, não define, não curva, não hidrata... ou seja, pra mim é inútil. Já o gel para sobrancelhas pareceu que eu passei gel de cabelo. Elas ficaram durinhas (e não arrumadas como deveriam) e no final do dia eu fiquei com pelotinhas de gel. Tipo: grotesco! Mais uma vez, ainda bem que custou super baratinho.

4. Corretivo em creme da Alverde
Pra começar, ele possui fragrância e ela me incomodou bastante. Além disso, a cor é nada a ver pra mim, super acinzentado! A cobertura não é das melhores. E para fechar com chave de ouro, ele é não é sequinho e deixa a pele com aparência bastante oleosa.

5. Base na cor 2 medium da Alva
Quando comprei a base e comecei a usar com certa frequência, eu gostei muito dela e até fiz resenha aqui no blog. Ela tem ingredientes ótimos, não obstruiu meus poros, não causou espinhas e tem cobertura levinha. No entanto, agora que estou mais clara, a cor dela fica muito rosada pra mim e não dá nem para disfarçar. Além disso, ela não segura a oleosidade nem no frio. A cor número 1 é o oposto: muito amarelada! Se estiver pensando em comprá-la, recomendo testar a cor na pele do rosto antes para não se arrepender.

6. Primer facial HD da NYX
A não ser que você seja muito branca ou queira fazer maquiagem artística com a cara toda branca, esse primer não é ideal para ser usado em pessoas com a cor de pele bege, morena ou negra. Ele deixa a pele branca azulada e nem a base por cima consegue disfarçar. Além disso, como função de primer, ele não controla a oleosidade, não disfarça os poros nem prolonga a maquiagem. Tem o cheiro bem estranho também. Eu não tirei fotos com ele, por isso não sei dizer se fotografa bem como anunciado.

7. Gel facial guaraná, mate e levedura da Multivegetal
Não sei dizer se tive alguma reação alérgica com determinado ingrediente, mas toda vez que eu uso esse gel, fico com o rosto ardendo e o nariz coçando por muitos minutos e depois alivia. Já usei o óleo essencial de menta com óleo vegetal no rosto e sei que não é ele quem causa essa sensação. Tive a mesma reação com o gel esfoliante para peles oleosas da marca e também não me adaptei. Sinto a pele bem sequinha após usá-lo e o cheiro de ervas com menta não é ruim. Mas essa sensação de ardência inicial é tão desagradável para mim, que não valeu a pena e eu tenho até medo de usar.

8. Loção de tea tree para controle de oleosidade da Desert Essence
Esse hidratante facial tem a fórmula tão rica em óleos vegetais, óleos essenciais e ingredientes nutritivos, preço tão em conta, que eu não me conformo de não ter me adaptado a ele. Eu tenho uma reação alérgica cada vez que uso, fico com a pele do rosto toda ardendo e queimando durante alguns minutos. É desesperador! É muito mais forte que o da Multivegetal. Fico parecendo um pimentão e isso não é nada agradável. haha Ah, e ele não segura a oleosidade por muito tempo.

9. Shampoo para cabelos loiros da Éh
Eu comprei esse shampoo há bastante tempo e já foi promovido a shampoo de lavar pincéis. Na época a empresa alegava que os produtos eram veganos, mas hoje não são mais. Ele é indicado para cabelos loiros e tudo o que ele fez foi ressecar e fazer meu cabelo virar uma palha. Não achei que ele desamarela ou realça a cor.

10. Máscara de Buriti Amazônia Preciosa da Surya
Como disse nessa resenha, essa máscara infelizmente não cumpre o que promete, que é reparar e hidratar cabelos tingidos. Ela não é emoliente o suficiente também e a forma de aplicação não é amigável.

11. Dekap Color da Yamá
Esse produto deveria receber o prêmio gambá. O cheiro é horrível! É o pior de todos os cheiros do mundo!! haha! Ele desbota a cor do cabelo tingido até que bem, mas aguentar esse cheiro no cabelo depois de seco e depois até de 3 lavagens é dureza. Eu usei tudo quanto é perfume e óleo essencial no cabelo e o cheiro de esgoto/chorume/ovo podre não sai. Pelo menos ele te encoraja a não tingir o cabelo sem antes pensar umas 35 vezes.


domingo, 27 de abril de 2014

Resenha: Linha Amazônia Preciosa de Buriti da Surya


A loja do Vista-se fez uma promoção de 50% com os produtos da Surya e eu aproveitei para comprar os shampoos da linha Fixação da Cor, que adoro, e o shampoo e a máscara da linha Amazônia Preciosa para testar. Parte da renda com as vendas desses produtos da Surya foi direcionada à ONG Veddas.

O shampoo custou R$19,90 e contém 300 ml. A máscara tem 120 g e custou R$14,90. O preço estava mais baixo porque a validade acaba em Julho/2014. Além disso o rótulo está em francês.

A linha Amazônia Preciosa é considerada "premium" pela marca, já que possui composição natural e certificação Ecocert de produto orgânico. Além disso, tem o selinho de certificação Vegan, garantindo que o produto não possui ingredientes de origem animal e nem passou por testes em animais.

O cheiro de ambos os produtos é suave, bem natureba mesmo e agradável. A textura é em gel e a cor amarelada remete à um produto que passou por poucos processos químicos.

Textura da máscara e do shampoo


Ingredientes ativos:

- Óleo de Buriti (Mauritia flexuosa). O óleo é rico em ácidos graxos essenciais e carotenoides. É rico em vitaminas E, C e tem a mais rica fonte natural de pró-vitamina A disponível. (Fonte). Possui ação hidratante e antioxidante. Filtra e absorve os raios ultravioleta, por isso é considerado um protetor solar.

- Óleo Essencial de Preciosa (Aniba canelilla). É extraído da casca de uma planta nativa da Amazônia e possui aroma similar ao de canela.

- Extrato de Cumaru (Dipterix Odorata). A semente é conhecida pelo nome de "Tonka Bean" e confere perfume similar ao de baunilha, sendo muito usado na indústria de perfumes.

- O shampoo:
O shampoo de Buriti é indicado para cabelos tingidos e danificados, já que possui proteção solar e propriedades hidratantes. Os resultados no meu cabelo foram satisfatórios, lavou direitinho e deixou o cabelo macio, hidratado e sem ressecar. Não faz muita espuma, mas espalha bem. Eu tenho a raiz do cabelo oleosa e as pontas danificadas, achei que lavou bem a raiz e deu um brilho bonito.

A forma que eu uso e indico para quem queira economizar $$ é diluir o shampoo em água. Na hora do banho, uso 2-3 pumps para uns 15 ml de água, agito o potinho e aplico no cabelo. Faça essa mistura somente na hora de lavar o cabelo na quantidade que for usar!

Eu não compraria novamente por causa do preço normal fora do desconto (~R$40). Acho que a proposta do shampoo é super bacana, mas não consideraria pagar tanto por um shampoo com pouco ingredientes reparadores. Antes eu vinha usando o shampoo da linha Fixação da Cor, que custou cerca de R$7 na promoção e considero o melhor custo benefício em termos de shampoo vegano.


- A máscara:
A minha primeira impressão com a máscara não foi a melhor. Ela tem textura de uma pasta e ao aplicar, sinto que o cabelo absorve todo o produto, mas não amolece imediatamente. Dessa forma, a tendência é sempre usar mais que o necessário, na tentativa de fazer o cabelo desembaraçar e ficar mais macio. Como tenho o cabelo comprido, liso e fino, embaraça com muita facilidade. E a máscara demora a fazer efeito.

De acordo com as instruções, para potencializar os efeitos, deve-se usar uma touca térmica e aguardar 15 minutos antes de enxaguar. Eu usei uma touca de alumínio e passei o secador com ar quente por uns 2 minutos e aguardei 15 minutos. Depois de enxaguar, percebi que o cabelo ficou mais brilhoso e cheiroso que o normal, mas não senti o efeito de reparação.

Confesso que não é sempre que tenho paciência de esperar 15 minutos com uma touca térmica. Eu prefiro produtos mais práticos.

Usei a máscara por algumas semanas e infelizmente não foi capaz de reparar as pontas danificadas por descoloração e tintura.


O condicionador eu já tinha experimentado antes e, por achar ele muito fraco em termos de composição e pouco emoliente, não comprei.

Se você procura por produtos naturais, não tem o cabelo detonado e faz questão de usar orgânicos, esses podem ser boas opções veganas, apesar de existirem outros similares com preços mais em conta. Outra dica é comprar o óleo de Buriti puro (e orgânico de preferência) e fazer umectação no cabelo, usar misturado a uma outra máscara etc.

Particularmente, eu prefiro a máscara da linha Fixação da Cor, tanto por hidratar melhor o cabelo, como pelo preço amigo (~R$15).

Gosto muito de alguns produtos da Surya, mas infelizmente eu não me adaptei a essa linha.

Certificação vegan!

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Resenha: Keraton Henna da Kert - cor castanho




Recebi esse tonalizante com extrato de henna da Kert e fiquei um pouco receosa de escrever a resenha aqui porque eu não pude tirar uma conclusão definitiva sobre esse produto, mas falarei sobre as minhas experiências. Mais detalhes a seguir.

De acordo com o site da Kert: "é um produto ecologicamente correto, pois não contém nenhum derivado animal, seu conservante é *ECOCERT, sua essência é natural e ainda é aditivado com Cistina Vegetal".

Principais ativos:

- Manteiga de karité
- Glicerídeos da soja
- Óleo de macadâmia
- Óleo de tamanu
- Óleo de kukui
- Polyquartenium-39 (excelente hidratante)
- Cistine (um dos aminoácidos que formam o cabelo)
- Henna
- pigmentos

Composição:


Primeiramente eu gostei muito da postura da Kert em lançar um produto cruelty free e isento de ingredientes de origem animal. Os outros produtos da marca possuem ingredientes de origem animal, como a lanolina, presente no banho de brilho Keraton, por exemplo. Portanto, esse é o único produto vegano da Kert que eu conheço.

Essas são as cores disponíveis e eu escolhi a cor castanho:



Eu já estava querendo voltar à cor natural do meu cabelo desde esse post. Estava achando muito complicado manter um tom castanho no meu cabelo que foi loiro claro durante muitos anos. A cor fica ótima na primeira aplicação mas logo desbota e volta para o loiro palha em pouquíssimas lavagens.

Antes de aplicar no cabelo inteiro, é importante fazer a prova de toque e o teste de mecha, aplicando em uma mecha e esperar o tempo indicado, para depois observar se a cor é a desejada.

Confesso que eu separei apenas uma mecha do cabelo e não levei em consideração que há pelo menos uns 3 tons diferentes, ou seja, não está com uma cor homogênea. Por isso, caso a cor do seu cabelo esteja um caos como o meu, recomendo fazer o teste com várias mechas.

Para fazer o teste de mecha, apliquei um pouco do produto nas pontas e deixei agir por 45 minutos. Lavei em seguida e sequei. Este foi o resultado:


Gostei muito da cor que resultou e não estragou muito. Era bem isso o que eu queria. Mas ao repetir o processo no cabelo inteiro, a cor resultada foi um desastre completo!! Na parte externa do cabelo, que é mais fina e mais clara que o resto, ficou um tom cinza azulado tenebroso:

Resultado com o Keraton Henna cor castanho



Não consegui entender por que no teste de mecha a cor ficou tão bonita e no cabelo inteiro um azul punk! Na caixinha diz não ser indicado usar o tonalizante castanho em tom loiro claro e na parte externa ele estava loiro médio e é mais fino. Ok, confesso que o erro foi meu de não ter tido mais prudência, mas cinza azulado foi demais!


Depois de 5 lavagens o tom azulado não saía do cabelo, apesar de no restante do cabelo ter desbotado parcialmente. Cansada de só sair de casa com coque, aproveitei que tinha em mãos e resolvi passar por cima a tintura de henna da Surya na cor preto, já que eu sei que ela não estraga o cabelo e deixa uma cor bonita. Felizmente o resultado foi ótimo, deixei agir por 2 horas e ao enxaguar e secar, a cor ficou linda, o cabelo sedoso e brilhoso!





Conclusões: Antes de usar, leia todas as informações da caixinha e faça um teste em várias mechas. Além disso, o cabelo não pode estar poroso e danificado. Acredito que pode funcionar em muita gente durante o retoque de tinturas, como banho de brilho, já que o teste de mecha que eu fiz resultou em uma cor linda. Creio que o meu caso foi uma exceção de azar. 

A Laura do blog Laura Vegan comentou que ela adorou esse tonalizante na cor Acaju.

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Resultados com a Henna Surya: preto e cinza prateado



Achei importante colocar aqui os resultados da henna Surya em cabelos brancos. Alguns veganos estavam me perguntando sobre uma tintura vegana que ficasse bem em homens que quisessem cobrir os fios brancos.

Para quem não sabe, a tintura mais famosa de todas indicada para homens é a Grecin 2000 e infelizmente é testada em animais. A marca pertence à Just For Men - Unilever.

Geralmente não é toda tinta que fica bem em homem e por isso a tintura deve ser de coloração mais próxima do cabelo natural possível. O ideal é possuir tons acinzentados para que os resultados sejam os mais naturais possíveis. Mas é claro que cada um é livre para escolher a cor que achar melhor.



Sempre tive receios de que a henna Surya pudesse deixar o cabelo muito avermelhado. No entanto, conversando com uma profissional da Surya, me foi indicado o uso da mistura de cores preto e cinza prateado para que não houvesse subtons avermelhados. A mistura que usei foi 1:1 e o tempo de espera foi entre 1 hora e meia a 2 horas com o uso de uma touca de plástico que acompanha a embalagem.

Este é o resultado no cabelo do meu cobaia namorado. Ele tinha muitos fios brancos na raiz e eu queria disfarçar de forma natural:




A cobertura não foi 100% completa. Ficaram uns fios brancos. Mas isso se deve principalmente à minha falta de prática em usar henna. Tem que aplicar com uma escova e massagear bem para que a tintura fixe. Na primeira vez que apliquei (há uns 3 meses), quase não pegou. Mas tento deixar mais tempo que o indicado (que é de 1 hora).

A cor ficou muito natural e os fios brancos que não foram tingidos ajudaram a ficar com aspecto mais natural. Ele não reclamou de tons avermelhados, apesar de ter sim um pouco de reflexos avermelhados. Achei que a cor do cabelo dele ficou muito parecida com o cabelo do também vegano Anthony Kiedis:



A duração é de menos de 1 mês. Começa a desbotar bem rápido, mas a diferença da henna Surya para as outras tinturas convencionais é que a reaplicação pode ser feita sempre que necessário: semanal, quinzenal ou mensal.

E outra vantagem é que não resseca os fios. Na verdade a Surya hidrata e dá brilho, já que não possui ingredientes agressivos como as tinturas comuns.

O preço de cada caixa é em torno de R$22 e as 2 caixas (preto + cinza prateado) duram, em média, 4 retoques de raiz. 

Obs: Eu recomendo fazer teste de mecha antes de aplicar no cabelo inteiro!

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Leave-in Color Fixation - Surya


A resenha que irei fazer é de um produto que eu não costumava usar muito, achava que meu cabelo sempre ficava pesado, oleoso e opaco quando usava. Acabei comprando para ajudar na fixação da cor, já que tenho usado tintura no cabelo, e hoje estou amando(!) o creme para pentear Fixação da Cor da Surya.

Na verdade eu comprei quando estava em São Paulo me sentindo o Capitão Caverna por causa do tempo úmido e não tinha nenhum defrizante em mãos. Imaginei que além da função de proteger a cor (por possuir Buriti), ainda manteria os fios assentados. Não consegui formar uma opinião sobre o poder defrizante em tempo úmido, já que usei 1 vez na chuva e todos os outros em tempo seco, mas notei uma proteção na cor da tintura, achei que demorou mais para desbotar. 

É difícil encontrar um leave-in sem silicones que não pese em cabelos finos e lisos. A tendência é de sempre deixar o cabelo pesado e um pouco oleoso. No entanto, não foi o que eu notei com esse da Surya. Meu cabelo ficou macio, hidratado, maleável e brilhante. Notei que ele também dá uma diminuída no volume. Enfim, é fácil acreditar que ele irá condicionar e manter os fios hidratados durante o dia e até como tratamento noturno (pré shampoo).

Quando uso chapinha/baby liss eu passo o leave-in da Alterna (linha Hemp) que contém silicone como proteção térmica e não pesa na raiz, já que eu não tenho certeza se o creme de pentear da Surya protege contra o calor. O reparador de pontas da Surya também é bom e pode ser um protetor térmico de pontas.

Segundo as informações da marca, o leave-in desembaraça, hidrata e protege os cabelos tingidos, proporcionando brilho intenso, maciez e redução de volume. Protege e mantém a cor por mais tempo, resgatando a naturalidade dos fios. Contem Buriti, um filtro solar natural e Cupuaçu que nutre e hidrata. A proteína do arroz restaura a estrutura do fio. Contém óleos essenciais de Rosas, Ylang, Jasmim e Sândalo e 15 Extratos de Ervas da Índia e da Amazônia.

Percebi que a formulação modificou recentemente. Retiraram os silicones, o BHT etc. Mas de qualquer forma, vem um tanto de ingrediente bacana, como manteiga de Buriti, Cupuaçu, proteína do arroz, aloe vera, camomila, óleos essenciais etc, que pelo preço que eu paguei (R$10 por 300 ml), vale MUITO a pena.

Uso a quantidade de uma castanha no cabelo úmido, depois de usar shampoo e condicionador e deixo secar naturalmente. No dia seguinte passo um óleo nas pontinhas pra disfarçar o frizz. Se quiser pode ser usado como condicionador também.

O cheiro é típico dos produtos da linha fixação da cor da Surya. Não é "uau, que delícia", mas também não é desagradável. É um cheiro de mistura de ervas, bem natureba! Sai depois que o cabelo seca.

Composição:


A Surya é cruelty free e 100% vegana!

<3

Resultado abaixo para ter ideia da quantidade de frizz. Usei somente o creme de pentear da Surya para finalizar, lembrando que o coitado já passou por trocentas químicas (descolorações e tinturas):

Pra que Tresemmé, Seda, L'oreal e outras tranqueiras que testam em animais, gente?

É encontrada facilmente em farmácias, perfumarias e por televenda.