É possível manter um relacionamento saudável com não-vegano(a)s?


Antes de qualquer coisa, gostaria de deixar claro que não estou aqui para ditar regras, e sim para dar a minha opinião baseada em experiências pessoais.

Primeiramente, é importante ressaltar que:

Sejamos sinceros, ninguém é vegano pelo planeta, para reduzir as emissões de CO2 e CH4, pela água, por saúde... Veganismo é uma postura ética relacionada ao repúdio à violência com animais. Ponto final. Dessa forma, veganismo não é dieta. Vegetarianismo é dieta. Veganismo não. Veganismo vai muito além de dieta.

Relacionamentos entre pessoas com estilos de vida divergentes podem ser muito complicados, principalmente para a pessoa que é vegana e namora uma comedora de carne, afinal isso não envolve uma mera questão de gosto pessoal, mas de ética. Para quem é vegano, violência contra animais é algo inadmissível e intolerável. Dessa forma, conviver com uma pessoa insensível às questões animais, e que compactua e pratica essa violência diariamente, pode ser bastante difícil. Como li uma vez na Revista dos Vegetarianos, há um abismo ético entre um vegano e um não-vegano, o que torna a convivência bastante complicada.

Poderia uma feminista se relacionar com um machista? Poderia uma pessoa que luta contra homofobia se relacionar com um homofóbico? É desse abismo ético que estou falando.

Ao contrário do que muitos carnistas pensam, ser vegano não é questão de escolha pessoal. Há certas escolhas, como gostar de filme de terror ou comédia, rock ou MPB, roupa branca ou preta, que são preferências pessoais inofensivas. Já praticar/financiar exploração de animais vai muito além de uma mera questão de preferência pessoal. Envolve violência, agressão, escravidão, tortura e algo a meu ver muito grave: a insensibilidade a tudo isso.

Importante lembrar que se uma pessoa vegana se relacionar com uma não-vegana, ela terá de aceitar e conviver com a crueldade de animais o tempo todo. Essas situações incômodas, pra não dizer insuportáveis, não serão esporádicas, como ir ao zoológico ou contratar um carroceiro para recolher entulho, por exemplo, que é algo que se ocorrer, será uma vez no ano e olhe lá. Será muito pior que isso. O não-vegano irá usar roupas com couro todo dia, irá fazer supermercado com você, irá encher a sua geladeira com produtos animais, irá comprar cosméticos testados em animais e contendo ingredientes animais, irá almoçar e jantar com você... e você terá de suportar tudo isso TODO DIA, o tempo todo!

Poderia então uma pessoa que se sente indignada com a violência contra os animais conviver com outra totalmente insensível?

Minha opinião: muito difícil. A não ser que...

Existem dois tipos de não veganos: os carnistas debochados e a pessoa que come carne por hábito, porque todo mundo faz, mas apesar de ser sensível às questões animais, nunca parou para pensar em porcos, bois, frangos, peixes, etc.

O primeiro tipo é caso perdido. Relacionem-se com esse tipo de gente por sua própria conta e risco!

O segundo tipo... esse pode ser que valha a pena.

Nós nascemos numa sociedade que nos ensina desde pequenos a sermos machistas, racistas, homofóbicos, insensíveis ao sofrimento de certos tipos de animais e uma porção de outras coisas nada sensatas. Dessa forma, muitas pessoas com enorme potencial de se tornarem pessoas melhores praticam atos condenáveis apenas por terem sido criadas dessa forma e nunca terem parado para pensar nesses assuntos. Mas essas pessoas, caso encontrem alguém que as ajude a se libertar desses pensamentos que regem a nossa sociedade atual, podem sim se tornar excelentes companheiras.

O importante é perceber se a pessoa tem mesmo potencial. Caso ela tenha, não perca tempo. Não espere a pessoa evoluir sozinha, no "tempo dela", afinal os animais que são massacrados a cada segundo não podem esperar mais. Seguir junto o caminho rumo ao veganismo é maravilhoso. Ponha todo o seu potencial de ativista em ação e a ajude a modificar os hábitos, mas sempre com bom senso e sem pressões (pode ser contraprodutivo).

Mas se após algum tempo você perceber que estava enganada(o) e a pessoa não se mostrar interessada em parar de explorar animais... prepare-se para uma vida tendo de ver a sua/seu companheiro explorando animais na sua frente. Pergunte-se como será o futuro, se vê problemas em conviver com uma pessoa que tem uma visão oposta da sua. Explique o motivo do veganismo ser tão importante para você (através de fotos, vídeos, documentários...), converse sobre quais serão os produtos que entrarão em casa, na geladeira, na frigideira e quais restaurantes poderão frequentar. Se você tolera e tem esperanças que a pessoa evolua, ótimo. Se não vê uma luz no fim do túnel, talvez seja a hora de dar um game over.

Esse tipo de situação infelizmente é comum. Às vezes vemos uma pessoa que adotou um cão abandonado ou que trabalha como voluntário em canis e pensamos "taí alguém interessante com potencial". Vale a pena investir nessas pessoas? Certamente vale (meu caso!), mas nem sempre a pessoa tem mesmo potencial. Quase todo vegano é "cachorreiro ou gateiro", mas nem todo "cachorreiro" é um vegano em potencial.


Obs: Sou vegetariana desde muito nova e todos os meus namorados comiam carne. O meu namorado hoje é vegano, mas no início do namoro era frequentador assíduo de churrascarias e comia carne de vitela quase toda semana, muitas vezes logo após resgatar cães de rua. Mostrei a incoerência em tratar cães de uma forma e porcos de outra. Assistimos meia hora de Terráqueos e A Carne é Fraca juntos e ele ficou sem argumentos para explicar a crueldade a qual estava financiando.



E você, mantém um relacionamento saudável com um não vegano? Tem dicas de como lidar?

Recentemente foi lançado um site para solteiros em busca de um@ namorad@ veg! Já conhecem o site de relacionamento Namoro Veg?

43 comentários:

  1. Uma postagem muito interessante e polêmica. Mas que em muitos pontos, no que toca ao "carnista debochado" me remeteu mais a um relacionamento abusivo do que um relacionamento veggie-onívoro.rs
    Eu estou em transição para o veganismo, meu namorado não é nem vegetariano. Quando nos conhecemos, eu não era vegetariana, o que muda um pouco a perspectiva.
    Felizmente, ele é um cara "cabeça aberta" e vê a importância do veganismo, e simplesmente AMA minhas comidinhas veganas. haha
    Sempre que está comigo evita comer carne, mesmo que eu nunca tenha pedido por isso. Além de ter 10 gatos (sim, você leu corretamente, rs), sempre procura cuidar bem dos animais que encontra e resgata. Enfim, acredito que toda relação deve ser pautada no respeito, sinceridade e companheirismo. Alguém que te expõe ao ridículo, não te entende e tem uma postura desrespeitosa, certamente não é uma boa companhia.
    Beijo, boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Graziela!
      Também acho polêmica, mas quis dar uma opinião e ouvir o que as outras pessoas pensam sobre o assunto! Acho que o principal é fazer a pessoa refletir sobre os atos que podem prejudicar terceiros. Ao propor essa reflexão, a pessoa pode concordar ou não. Se ela concorda e não para logo de cara, pode ser questão de tempo até que ela resolva mudar. E eu acho que o seu tem potencial, mesmo! :)
      Beijos e obrigada pelo comentário!

      Excluir
    2. Bravo pela coloção Graziela !!!

      Excluir
  2. Bom, o meu relacionamento é com uma pessoa não vegana, e até agora dá certo. E o meu relacionamento com os meus pais, que não são veganos, também dá certo.
    Por um lado, me incomoda muito ter que dividir geladeira com cadáveres, me incomoda muito ver que as vezes eles me veem fazendo pizza, e no dia seguinte fazem a versão deles pra jogar na minha cara que é melhor. Isso é muito chato.
    E até quando ouço minha mãe dizer: nossa, se eu soubesse que alcatra estava tão macia, teria comprado mais.
    E eu respondo baixo no quarto: se você soubesse como é feita essa alcatra, você não teria comprado mais. Se você soubesse as verdades da indústria da carne, nunca mais comeria carne.
    Mas tirando esse lado, não é uma péssima convivência, eles têm a vida deles, e eu tenho a minha. Também não acho que ser vegano é uma escolha, já que vidas dependem dessa "escolha". Mas eu sei, que cada um tem o seu tempo para entender e querer ser vegano. A questão é como você falou: ela é uma pessoa que como carne por comodismo, ou ela é uma completa anti-vegana?
    Mas eu tenho os meus projetos para morar sozinha. E quando digo morar sozinha, não é juntar meus trapos com homem nenhum. Eu quero ter a MINHA independência. E é claro, meu namorado vai ser muito bem vindo na minha casa, e futuramente moraremos juntos.
    Mas já estabelecemos a nossa regra principal! A minha casa, será vegana. Não vai ter um derivado de origem animal pra nada. Vai ser uma casa totalmente cruelty free, e eu não permitirei que ele traga nada.
    Lá fora, ele faz o que quiser, mas no meu refúgio não.
    A princípio, você pode até me julgar como hipócrita "nossa, você não se preocupa com as animais, só quer sua casa seja vegana", mas não é esse exatamente o meu plano. Na rua, pelo menos na região onde eu moro, não temos muitas opções de comida, e sei que ele vai se incomodar com isso. Mas em casa, eu posso montar um banquete, e sei que ele vai gostar disso. Então é justamente não permitindo que na minha casa ele prove o de sempre, que vou tentar trazê-lo para o veganismo. E também, como sempre faço, tentar fazê-lo entender porque respeita tanto a vida de um cachorro e não a dos outros animais.
    E isso já acontece, mesmo eu não morando sozinha. Lá na casa dos meus pais, ele prova as coisas que eu faço, e na rua, a gente divide pizza, uma com queijo e a outra sem. A gente vai no subway, eu peço o vegetariano e ele o baratíssimo. E é claro, não perco a oportunidade de levá-los a restaurantes veganos, e o único que ele foi até agora gostou.
    A muito tempo, quando contei pra ele que talvez eu me tornasse vegetariana, ele riu da minha cara. Mas naquele mesmo momento, eu não desisti, eu em meio a promessas fiquei dizendo "quando a gente morar junto, cê vira vegano comigo?" E ele acabou cedendo o sim.
    E também acredito, que ele não faça um esforço maior, por conta de querer ser militar. Ele já é uma pessoa extremamente tímida, e com poucos amigos, nossa, se ele fosse vegano, como iriam zuar ele no quartel. E além do mais, lá não tem muitas opções, então com certeza isso iria fazer ele ceder as "tentações", e iria voltar a comer carne por comodismo. E não duvido nada, desses militares nojentos, obrigarem ele a comer carne, deixar preso caso ele não faça, ou até mesmo o force com algum trote, nossa eu não quero nem imaginar!
    E quando citou o exemplo de machista e feminista, bom, é basicamente o nosso relacionamento. E aos poucos eu vou mudando a opinião dele, e mostrando a ele, quais são os reais valores da vida. Ele é uma pessoa totalmente diferente do início do nosso namoro, e eu também era! Mas sei que ele tem que melhorar muito, e eu caminho ao lado dele para isso! Até mesmo, porque se a gente terminar, eu quero que ele tenha se tornado uma pessoa melhor!

    Um beijo Eliana! Espero que meu namorado trilhe o mesmo caminho que o teu ♥
    Sim, sou vegana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Thallita,
      Eu entendo que a relação pode dar certo sim. Principalmente quando somos "obrigadas" a tolerar, como é o caso da família. Mas com a pessoa que escolhemos para ser companheira, eu acredito que ela deva pensar de forma bem parecida, sempre nos respeitando.
      Quando li "quando contei pra ele que talvez eu me tornasse vegetariana, ele riu da minha cara" achei um pouco falta de respeito da parte dele, mas talvez seja porque já exista um estereótipo ridicularizado sobre vegetarianos e veganos. E o nosso papel é tentar desmitificar isso. Eu também não sou a favor de pressão, porque o que adianta a pessoa ser uma coisa na sua frente, ficar morrendo de vontade de comer carne e se segurar, mas é só vc virar as costas que ela logo corre pras carnes? Então sei lá, quando vc diz "ele acabou cedendo" é por vc ou pelos animais? Entende? Ele reconhece que comer carne é sacanagem?
      E esse negócio de ser zuado pelos colegas é muito chato mesmo, não que eu concorde, porque não podemos moldar nossas atitudes conforme o que os outros vão pensar ou agir. Imagina eu não poder sair de casa sem depilar pq pode ser que alguém me zoe. E vamos supor que ele deixe de comer carne. No quartel não tem opções pra ele, mas é só ele sair de lá que encontrará inúmeras opções. É aquela história da ilha deserta. Se a gente estiver numa ilha deserta, pode até justificar comer carne. Mas e quando temos a disposição supermercados abarrotados de opções?
      O que eu proponho é apenas uma reflexão, sabe? A gente é criado tendo vários preconceitos e podemos melhorar nosso modo de pensar cada vez que somos questionados.

      Obs: o lanche vegetariano do Subway já foi lançado?? Ou o que vc diz é só o pão com tomate e pimentão? O Subway tinha se comprometido a fazer um lanche vegano com carne vegetal e até agora nada. Só vi até agora aquele pão sem graça com salada que não enche a barriga e ainda ajuda a queimar o filme do veganismo.

      Beijos

      Excluir
  3. Isso é, infelizmente, um assunto muito chato! No momento estou sozinha, mas namorei um "onívoro" por um ano e oito meses e sempre discutíamos devido a isso e olhe que eu nem era vegana ainda(comecei este ano e sou vegetariana faz 10 anos) e o o que mais eu falava era questão dos filhos...como seria a educação?? É muito complicado e sem contar como vc disse a questão da geladeira...já sofro com isso, pois não moro sozinha e minha mãe e irmã são mega ultra hiper carnívoras =/ disputo o congelador com cadáveres =( bom, mas é isso...quem sabe um dia eu acho a minha cara metade vegana =) Beijooooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Izabella!
      Essa questão dos filhos deve ser muito complicada. Imagina como deve ser insuportável ver o filho comendo carne a contragosto.

      Sim, imagino que tolerar a família é uma coisa, mas tolerar um companheiro que escolhemos e admiramos é outra bem mais difícil!

      Estou torcendo para que vc encontre uma cara metade vegana, então! hehe Ou talvez vc encontre alguém que tenha o potencial para ser, como no meu caso!
      Beijos

      Excluir
  4. Gosto de pensar que cada pessoa tem a sua jornada, o seu caminho e para algumas é mais rápido, outras nem tanto.
    Tento praticar o não-julgamento, pois cada um sabe da sua vida e suas bagagens.
    Tenha mais compaixão conosco, não veganos. Sim, somos imperfeitos, mas não quer dizer que nossa jornada é insensível ou que somos crueis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sim, cada um leva o tempo que consegue, contanto que a pessoa tenha refletido sobre o assunto. E a dificuldade na mudança se dá principalmente por causa do marketing das indústrias bilionárias que impõem os produtos animais como Friboi, Sadia etc.

      Eu não disse que todos os não-veganos são insensíveis ou cruéis. Eu deixei isso bem claro no texto. Há sim os insensíveis. Mas tem aquelas pessoas com potencial.

      Acho que a partir do momento que somos expostos ao sofrimento dos animais, fica difícil aceitar que as pessoas simplesmente ignorem e continuem com os mesmos hábitos de machucar animais, enquanto sabem que é perfeitamente possível ser vegano ou chegar próximo de ser vegano. E é isso que eu acho complicado em se relacionar com essas pessoas. É como se relacionar com um racista, uma pessoa estranha.

      Eu tenho compaixão pelos milhares de animais morrendo e sendo torturados a cada segundo.

      Excluir
  5. Conheci seu blog hoje e estou adorando! Sou vegetariana há nove anos e sempre quis me tornar vegana, mas acho tão difícil! Uma dúvida enorme que eu tenho é: Veganos comem ovo caipira? Porque as galinhas caipiras não são exploradas e os ovos saem naturalmente, sem fecundação. Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Loren!

      Que bom que está gostando do blog! :D
      Eu também fui vegetariana por muitos anos e depois que eu descobri que há muita crueldade envolvida em qualquer produto de origem animal, decidi me tornar vegana da noite pro dia. Acho que os animais merecem o nosso esforço!

      Quanto aos ovos caipiras, é muito comum achar que subprodutos animais, principalmente quando são produzidos em fazendinhas bucólicas, sejam isentos de sofrimento. No entanto há várias questões que devem ser pensadas:

      1) As galinhas que estão em sítios destinados à criação de ovos morrerão de velhice? Não é mais provável que o criador abata essas galinhas quando elas começarem a diminuir a produção de ovos?

      2) O que acontece com os pintinhos machos e os galos, já que eles não interessam aos criadores de galinhas poedeiras? Os machos nascem na mesma proporção que as fêmeas (50%), certo? O que os criadores fazem com esse tanto de macho "improdutivo", já que bastaria um ou outro para ser reprodutor? Visite essas granjas orgânicas e veja se a quantidade de machos é igual à de fêmeas.

      3) Até que ponto essas galinhas não são exploradas? Elas gostariam de estar em um espaço limitado? Geralmente as fazendas correm risco constante de serem "atacadas" por gambás e outros animais que comem ovos e matam as galinhas. Nesse caso, elas precisam ficar confinadas. Isso não é crueldade?

      4) Em 99,9999% dos casos de criadores de animais para obtenção do lucro, os animais são tratados como objetos e meios para obter lucro. Quando existe um conflito de interesses entre os animais e o explorador, os interesses do explorador sempre prevalecem. Da mesma forma que eu não acho ético criar cachorros de raça para obter lucro vendendo os filhotes, também não acho ético criar galinhas para lucrar.

      5) Caso hipotético e raro: se vc resgatou/adotou uma galinha e a mantém em casa, eu não acho que seja anti ético comer os ovos. Mas estamos falando de uma situação extrema e rara!

      6) Ovos não são essenciais à saúde. Existem milhares de alternativas veganas capazes de substituir os ovos. Depois procure no Google por “bolos veganos sem ovos” que vai ver como ovos não são indispensáveis!

      Beijos

      Excluir
  6. Ainda não sou totalmente vegana, apesar de compreender perfeitamente e ser contra o consumo de laticínios. Eu não tomo leite diretamente porque detesto leite mas para mim é complicado abolir o queijo, aqui em Belem eu nunca ouvi falar sobre restaurantes ou lanchonetes veganas. Se eu decidisse me tornar vegana (como tenho vontade) ia passar fome!
    Eu nunca me relacionei com alguém vegano, tanto porque eu comecei a apoiar a causa animal a pouco tempo, mas um vegano nunca teria problema pra se relacionar comigo quando eu ainda comia carne. Ate porque, eu era aquele tipo de pessoa que se sensibilizava com o sofrimento, mas comia carne só por todo mundo comer. Acho ate que iria aderir a ideologia, porque quando eu não era sempre quis conversar com alguém que não comesse carne, foi uma coisa que sempre me chamou atenção, mas ate certo tempo eu acreditei que fosse essencial pra saúde etc.
    La em casa é meio ruim, tipo tem sopa e a sopa tem carne... posso tirar, mas não gosto que misture na minha comida essas coisas, poxa! E não adianta falar, vão continuar colocando e eu sempre vou achar um fiapo de carne na minha sopa, um pedaço de charque no meu feijão... deprimente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vany!
      Será que em Belém não tem nada? Poxa, acho que é só procurar que vc encontra. Talvez existam grupos da sua cidade no Facebook.
      Mesmo que não tenha nada, é perfeitamente possível virar vegana em cidades pequenas. Tudo que precisamos encontramos em comidas simples (frutas, grãos, leguminosas, verduras, legumes etc). Ninguém precisa do queijo vegetal importado revolucionário pra virar vegano. Eu mesma quando virei vegetariana há 15 anos não passei fome! hehe

      Sei bem como é isso em casa. Já me disseram pra tirar o pepperoni/presunto da pizza e comer. É por isso que vegano tem que aprender a cozinhar pra se virar e saber negociar com a família.. senão passa fome mesmo! :/

      Excluir
    2. Poxa, mas Belém nem é cidade pequena. Vany, em Belém tem a VegCasa. Não fui lá, mas Frank, acho que é o dono, levou pizzas veganas pra o rolé que a gente tava. Tenta procurar depois :))
      Mossoró/RN é uma cidade pequena, mas mesmo assim tem vários veganos. Não é muita gente, mas tem. Como Eliana já falou, as menores cidades tem o básico (frutas, grãos, leguminosas, verduras, legumes etc) e o negócio é fazer você mesma a sua comida e usar a criatividade pra elaborar pratos novos a partir do que você tem. Na internet, você encontra uma variedade enorme de receitas e elas podem ser adaptadas também. Além do mais, acho que não adianta muito não explorar os animais não humanos e explorar a mãe, insistindo pra ela atender os seus interesses que infelizmente não são os mesmos que os dela.

      Excluir
    3. Sim, Melissa, eu entendo :)
      O fato de eu ainda consumir queijo não me orgulha. Apenas é uma questão de eu não ter escolhas,sabe? Todos os lugares que vou não há nenhuma opção vegana então recorro ao menos pior; queijo. Você é daqui de Belém?

      Excluir
  7. Oi Eliana! Postagem brilhante, como sempre. ;) Meu namorado se tornou vegano junto comigo, então não tenho esse problema, mas acho que caso venhamos a nos separar, serei incapaz de namorar alguém que come carne, leite e ovos. Do mesmo jeito que não namoraria alguém que joga lixo no chão, que arruma briga na rua, que bate na irmã, que suborna o guarda de trânsito, que acha que a mulher é estuprada porque anda de roupa indecente, ou que tudo bem ser gay, desde que isso seja um segredo. Entende o que quero dizer, né?

    Mas se tem um post dessa "série" que eu queria muito que você escrevesse (porque ando precisando ler) é: "Como ser feliz/dormir tranquilo sabendo demais". Estou ficando cada vez mais calejada... Em relação ao veganismo principalmente, mas não só... enfim.

    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Vitória! :)

      Ow que legal que viraram veganos juntos! Deve ter sido muito mais fácil.

      Eu te entendo e também não sei se teria paciência de namorar alguém que não concorda com o veganismo. Pra mim, namorar com uma pessoa insensível à causa animal é como namorar um estranho... Antes de namorar, conheci caras que se interessaram por mim e fingiam que iriam virar vegetarianos, mas dava pra perceber que era fingimento... tem isso também.

      Acho que se a pessoa tivesse uma abertura e quisesse realmente mudar e mostrasse um interesse, acho que valeria a pena investir.

      Putz... esse post eu vou ficar te devendo, desculpa! Eu ainda me abalo a cada dia, exatamente como vc. Às vezes descendo na minha página inicial do Fb eu vejo sem querer fotos de animais em situações como a do Nepal e isso me deixa puta, revoltada e parecendo que todo mundo é escroto. Daí me deparo com pessoas da minha família zoando veganismo/feminismo etc e eu nunca deixo por menos! Metade da minha família já ouviu poucas e boas. Não faço a mínima ideia de como dormir tranquila depois disso. O que eu estou tentando é me relacionar com mais veganos na minha cidade e fazer mais amizades veganas. Eu perdi mais da metade dos "amigos" que eu tinha, justamente por não tolerar que comessem porção de carne na minha frente e virem falar merda. Ou então virem me dizer "coitadinho dos coelhos, mas eu gosto tanto de usar marca tal que testa..." Daí sempre acabava em discussões intermináveis e aquele clima chato no final. :/

      Beijos

      Excluir
  8. Oi Eliana! :D
    Esse assunto sempre me emociona muito, pois no meu caso eu que fui "sensibilizada" pelo meu noivo :)
    Eu fui a pessoa "com potencial" hahaha! Eu realmente era aquela pessoa alienada do mundo, comia carne por conveniência e agia cruelmente com os animais sem saber o porquê.

    Quando começamos a namorar ele me fez assistir vários documentários com ele, conversávamos muito sobre isso e a família dela apoiava muito, apesar deles não serem veg nem nada. Isso pra mim foi o diferencial, pois éramos adolescentes, ainda dependíamos muito dos nossos pais pra tudo, então qualquer apoio já era super bem vindo. A minha família demorou anos pra se sensibilizar comigo, achavam que era fase, que era frescura, que eu "imitava" ele em não comer carne, mas que ia passar. Ledo engano! Eu sinceramente tenho orgulho em dizer que eu "imitei" ele mesmo, afinal não tem atitude mais sensível, ética e linda do que essa, porque não continuar assim? Nisso já se foram 7 anos :)

    Então por isso a nossa convivência acabou sendo super tranquila desde o começo, eu me sensibilizei logo! Além disso, nós acabamos mudando de casa cedo para estudar fora e conseguimos passar em universidades da mesma cidade, o que só facilitou a nossa vida com relação ao vegetarianismo/veganismo! Realmente ter mais independência dos pais ajuda nisso, você faz as suas refeições, tem o estilo de vida que você quer e tudo mais.

    Eu agradeço muito até hoje por ele ter acreditado em mim, no meu potencial, sou uma pessoa bem melhor e feliz comigo mesma! Faz todo o sentido o que você disse, tem pessoas que se você se esforçar ao menos um pouco já fazem tudo valer a pena <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jess! Que linda a sua história! <3
      Seu noivo parece ser muito legal. Imitar atitudes éticas não é nada vergonhoso!
      Pois é, tá cheio de gente com potencial por aí!
      Beijos

      Excluir
    2. Vou me meter de novo pra dizer: que lindo, Jess <3 <3 <3
      (Tô muito intrometida hoje, né?)

      Excluir
  9. Meu maior medo era me apaixonar por algum não-vegan que fosse cabeça fechada. Minha sorte foi que comecei um relacionamento há pouco tempo com uma pessoa que nossa, me respeita super e acredito que conseguirei fazer ele se tornar vegano. Quando comemos fora pela primeira vez, ele não pegou nenhum tipo de carne e o bom é que ele adora todo tipo de comida.O namorado da minha irmã tbm não era e agora é. O foda, é que meu namorado é religioso (evangélico), daí as coisas ficam um pouquinho mais complicadas...Já tivemos algumas conversas e acredito que vamos evoluir. Boto fé \o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Grazi, eu simplesmente não consigo me apaixonar por cabeças fechadas! Não dá!
      Sei bem como é conversar sobre isso com religiosos. Minha família inteira é assim. Já vi tantos argumentos que se baseiam na bíblia e tals. Daí como nem bíblia, nem o pastor falam de respeito aos animais, fica complicadíssimo mesmo. Mas torço para que vc convença ele. :)
      Beijos

      Excluir
  10. Muito bom o poste, Eliana! Legal vc ter escrito um pouco sobre esse assunto.

    Bem, sou lacto-vegetariana (consumo pouco leite) há 1 ano e meu namorado também é, se tornou lacto vegetariano por minha causa e isto aconteceu por meio de conversas (poucas) e meu exemplo (creio que foi mais pelo meu exemplo). Eu estou com ele há 9 meses... Acho que o sentimento que um sente pelo outro influência também, de forma negativa ou positiva, no meu caso, foi positiva.
    Numa conversa que tivemos ontem de ontem, num momento, ele disse: "Eu não volto atrás, de jeito nenhum' ". Isto me alegrou muito... e ele dá sinais que não vai voltar atrás mesmo, voltar com o velho cardápio.

    Beijoo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Juubs!
      Ai que legal que ele seguiu o seu exemplo! <3
      Eu acho que quando temos uma causa assim em comum, o namoro fica mesmo mais fortalecido. Também concordo que influencia muito!
      Beijos

      Excluir
  11. Concordo com você em muitos aspectos (exceto na afirmação inicial de que ninguém é vegano pelo meio ambiente, pois eu sou por esse motivo também!). É realmente MUUUUITO complicado se relacionar com carnívoros. Digo isso até mesmo pela família. Tenho uma irmã que é super sensível à causa animal, mas não se torna vegetariana nem em trilhões de anos! É mega frustrante, decepcionante y otras cositas más. Quanto aos meus pais, não dão a mínima importância! Frequentemente sou taxada de "exagerada" ou "radical" porque decidi abolir ingredientes de origem animal da minha vida.
    Sempre que posso falo e tento mostrar (eles todos se recusam a ver documentários ou vídeos por causa das "cenas fortes") a crueldade da indústria da carne, mas é como falar com as paredes. É desgastante!
    Já namorado, enquanto permanecer assim, tudo bem, mas se um dia resolver me casar...... aí vai ser complicado! Sorte a sua ter encontrado alguém disposto a mudar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Valéria!

      Eu também me preocupo muito com o meio ambiente, mas a causa principal é a ética animal!

      Vai ver a sua irmã mude de ideia um dia! O mundo dá voltas... e o que a gente pensa hoje muda amanhã. Infelizmente o meu irmão é desses que não dá a mínima para os animais, nem mesmo cães e gatos. Também acho dificílimo ele se tornar vegano. Mas tolerar a família é bem diferente de tolerar namorado e marido, eu acho. Penso que a gente tende a escolher pessoas parecidas com a nossa personalidade, por isso acho complicado namorar com quem é insensível com a causa animal.

      Sim, tive muita sorte!
      Beijos

      Excluir
  12. Eita, que massa esse post! Não vou falar muito porque se eu me empolgar, vai ter 500 páginas de comentários. HUAISOHDIUASDA

    Vou resumir:
    Já namorei cara que riu de mim por ser vegetariana (na época) e eu mandei pastar depois de um tempo porque era insuportável as piadinhas carnistas dele com os amigos.
    Já namorei cara que se fingiu interessado no vegetarianismo no início do namoro, mas por outros motivos a gente acabou muito rápido, e mais rápido ainda o bicho voltou a comer carne (se é que um dia deixou de comer) e pra completar ainda promoveu churrascos, inclusive era o próprio churrasqueiro do rolé e ainda fez vídeo meio que tirando onda.
    Nojo.

    O meu namorado atual tinha sido vegetariano antes da gente namorar, mas ainda antes também deixou de ser. Quando a gente começou a namorar, a gente conversou muito a respeito disso e ele voltou a ser vegetariano. Imagino que pra ele antes era meio difícil porque ele trabalhava de manhã e de tarde e estudava a noite, e ainda com uma família carnista como a que ele tem... Ops, falei demais. hauisdhoas Mas desde que ele voltou a ser vegetariano que ele faz a própria comida. Isso ficou fácil desde que ele se formou. Pra resumir: ele hoje em dia consome pouco ovos e laticínios e espero que ele se torne vegano - ele diz que tem intenção, pelo menos. De qualquer maneira, se um dia eu e ele tivermos uma casa, ele já tá ciente que não vai ter nada que não seja vegano. :)

    :* :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mil desculpas pela resposta mega atrasada. Respondo comentários mentalmente e esqueço de postar! :p

      Que azar com esses omis hein, Melissa? Se bem que eu não posso falar nada, eu também só namorei carnista nojento. Mas valeu a pena porque o atual é super vegano! hehehe
      Espero que o seu atual também se torne vegano em breve! Boa sorte pra vocês! Acho que ele já está no caminho e você parece dar todo o apoio.
      Nem me fale em família carnista! hahahah minha sogra me odeia por ser vegana, mas ela sabe que no fundo tem uma parcela de culpa.
      Beijos

      Excluir
  13. Tolerar é discordar pacificamente. A falta fe tolerancia é causa de tantos conflitos mundiais. Convencer o outro de que está certo é arrogância. Sou vegana e meu namorado não. Em casa não entra nada de origem animal. Por iniciativa dele. Nunca pedi. Ele tolera faltar churrascos dos amigos, nunca me levar em restaurantes, esperar meses um preservativo chegar pelo correio e etc. Tolerância é chave no nosso relacionamento. Eu só preciso tolerar q ele coma animais quando visitamos minha sogra. Estamos juntos há anos. Respeitando as diferenças e cultivando a tolerância. :)

    ResponderExcluir
  14. Oi! tenho que dizer que estou adorando seu blog, dicas de make, entre outras coisas!

    Primeiro, eu posso afirmar. Não escolhi primeiramente (quase 10 anos atrás) virar vegetariana por causa do sofrimento animal.. pra mim saber que a carne, a injustiça social, a poluição, estão ligadas todas na mesma fonte desse mercado feito pra pessoas ricas, quando muitas passam fome foi o que me chamou atenção ao vegetarianismos, e continua sendo a parte mais forte pra mim ainda! O sofrimento humano (que também é um animal) é o que vejo como mais forte.

    Sobre relacionamento, eu sou casada com um onívoro.. ele afirma que diminuiu muito o consumo de carnes e derivados animais da alimentação des de que passamos a morar juntos, raramente come carne (que ele compra, prepara e lava a panela pra eu não ter nem que chegar perto haha ). Ele pode não ser vegano na alimentação, mas entrou de cabeça comigo no veganismo de outros produtos, só compramos produtos (limpeza, cosmeticos, alguns outros produtos alimentares industrializados) não testados em animais, que sejam veganos, de preferencia de empresas veganas.. E nunca tivemos problemas com isso. Acho que é um grande passo, visto que muitos vegetarianos se limitam apenas a alimentação. Já que é difícil tirar a carne, então vamos começar tirando outras coisas :)

    Continue com seu blog lindo! Beijoss!

    ResponderExcluir
  15. Olá Eliana, parabéns pelo Blog, realmente é muito interessante e elucidativo. Mas, enquanto bióloga, fiquei refletindo sobre algo que disseste. Bem, a frase é:"Sejamos sinceros, ninguém é vegano pelo planeta, para reduzir as emissões de CO2 e CH4, pela água, por saúde... Veganismo é uma postura ética relacionada ao repúdio à violência com animais." É preciso deixar claro que o termo "violência com os animais" é bastante abrangente. Animais não sofrem apenas em testes de laboratório ou sendo predados por nós (veja bem, não estou dizendo que o veganismo não seja louvável em sua preocupação com os testes e a dieta.). Animais perdem seu habitat. Animais podem morrer de fome quando, por um desequilíbrio ecológico veem sua cadeia alimentar ser rompida. Neste sentido a preocupação com as emissões, a poluição, o excessivo desperdício de água (evitando o consumismo pois a água integra a linha de produção de quase tudo o que compramos) devem entrar nessa discussão. Acho importante acrescentar esses pensamentos para não sermos incoerentes. Não imagino um mundo vegano ainda (do ponto de vista ético seria maravilhoso) mas vejo que está próximo o dia em que as pessoas entenderão que suas escolhas pessoais (o que comprar, quanto comprar, o que vestir, quantas roupas ter, o que comer, quantos filhos ter, etc.) dizem respeito sim ao coletivo. Na minha modesta opinião já seria um ganho (e tanto) se todos adotassem a moderação. Entendessem a importância de uma campanha como a segunda feira verde, entendessem que carne (quando não for possível abolir da dieta) deve ser uma iguaria (comida em pequenas porções e raramente e não ostentada como se isso fosse símbolo de status). Se por um lado alguns animais continuariam a morrer (o que, eticamente, não é o desejável) por outro, com maior consciência, sistemas ecológicos inteiros seriam poupados. Sei que cada árvore é uma árvore, ainda que da mesma espécie. Sei que cada vaca é um indivíduo e mereceria viver. Mas acho que, diante de uma sociedade inteira construída na contradição, precisamos primeiro pensar globalmente, para o bem dos animais como um todo (espécies, diversidade genética) e para o nosso próprio bem (lembrando que ninguém produz água, controla o clima ou fabrica solos.).

    ResponderExcluir
  16. Olá Eliana, parabéns pelo Blog, realmente é muito interessante e elucidativo. Mas, enquanto bióloga, fiquei refletindo sobre algo que você disse. Bem, a frase é:"Sejamos sinceros, ninguém é vegano pelo planeta, para reduzir as emissões de CO2 e CH4, pela água, por saúde... Veganismo é uma postura ética relacionada ao repúdio à violência com animais." É preciso deixar claro que o termo "violência com os animais" é bastante abrangente. Animais não sofrem apenas em testes de laboratório ou sendo predados por nós (veja bem, não estou dizendo que o veganismo não seja louvável em sua preocupação com os testes e a dieta.). Animais perdem seu habitat. Animais podem morrer de fome quando, por um desequilíbrio ecológico veem sua cadeia alimentar ser rompida. Neste sentido a preocupação com as emissões, a poluição, o excessivo desperdício de água (evitando o consumismo pois a água integra a linha de produção de quase tudo o que compramos) devem entrar nessa discussão. Acho importante acrescentar esses pensamentos para não sermos incoerentes. Não imagino um mundo vegano ainda (do ponto de vista ético seria maravilhoso) mas vejo que está próximo o dia em que as pessoas entenderão que suas escolhas pessoais (o que comprar, quanto comprar, o que vestir, quantas roupas ter, o que comer, quantos filhos ter, etc.) dizem respeito sim ao coletivo. Na minha modesta opinião já seria um ganho (e tanto) se todos adotassem a moderação. Entendessem a importância de uma campanha como a segunda feira verde, entendessem que carne (quando não for possível abolir da dieta) deve ser uma iguaria (comida em pequenas porções e raramente e não ostentada como se isso fosse símbolo de status). Se por um lado alguns animais continuariam a morrer (o que, eticamente, não é o desejável) por outro, com maior consciência, sistemas ecológicos inteiros seriam poupados. Sei que cada árvore é uma árvore, ainda que da mesma espécie. Sei que cada vaca é um indivíduo e mereceria viver. Mas acho que, diante de uma sociedade inteira construída na contradição, precisamos primeiro pensar globalmente, para o bem dos animais como um todo (espécies, diversidade genética) e para o nosso próprio bem (lembrando que ninguém produz água, controla o clima ou fabrica solos.).

    ResponderExcluir
  17. Qual é a diferença do ser vivo vegetal e do ser vivo animal? Por que com o vegetal pode-se TUDO? Alguém me explica? Obrgado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, agora você me pegou. Nunca tinha pensado sobre isso antes e acredito que os veganos também nunca pensaram sobre isso. Parabéns por questionar usando um argumento tão original e inteligente. Agora eu estou pensando em voltar a comer carne, leite e ovos, já que animais e plantas são iguais e pode-se fazer tudo o que quisermos com ambos.
      Mas agora com o seu questionamento tão perspicaz, fiquei com uma dúvida e gostaria que você me sugerisse o que fazer. Quando eu chamo o jardineiro para podar a grama daqui, ele não usa anestesia nas plantas, mas quando levo cachorros e gatos no veterinário, ele aplica anestesia antes de realizar cirurgias. O que eu deveria fazer, pedir ao jardineiro para aplicar anestesia na grama antes de podar ou dizer ao veterinário que não precisa mais anestesiar cães antes de passarem por uma cirurgia? Afinal, se ambos não possuem diferenças, merecem tratamentos iguais, certo?

      Excluir
  18. Olá!
    Sou vegetariana há 3 anos e conheci meu atual marido há 5, quando não era.
    Ele respeita completamente minha decisão desde o começo e sempre conversamos a respeito disso. Ele entende os meus motivos mas decidiu não aderir e eu respeitei.
    Somos casados hoje e ele adere muito meu estilo de vida, mesmo que não seja vegetariano. Em casa sempre buscamos ter uma grande variedade de frutas e legumes e, dificilmente, quando ele tem vontade, compra algum tipo de carne para que ele mesmo prepare. O mesmo vale para cosméticos, produtos de limpeza etc. Ele entende que os alimentos que eu consumo são muito saborosos e podem ser consumidos pelos dois, por isso, optou pelo caminho mais simples.
    Acredito muito no que a Nana disse: Respeito e Tolerência são as chaves para relacionamentos em que os envolvidos fazem escolhas diferentes.

    ResponderExcluir
  19. Acredito que para ver vegano tem que ter estrutura para tal. Meu esposo optou pela dieta vegetariana e algum tempo depois ,a vegana. Ele trabalha viajando , embarcado e confinado sem opção de alimentação. Quando tem oportunidade, compra comida enlatada, e quando não , vive de vitamina de frutas, arroz e salada. Eu já perdi a paciência com isso. Vá lá ser ovolactovegetariano, mas vegana? E um pequeno detalhe é que quando o conheci, ele comia carne. Sinceramente, não namoraria um vegano, tão pouco casaria com um. Então, acho muito difícil relação entre vegano e não vegano .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Engraçado porque meu irmão é engenheiro da Petro e também trabalha embarcado e já disse que é perfeitamente viável ser vegano na plataforma. E daria para ele levar comidas na mala sem problema nenhum. Qual o problema de comer comida enlatada, frutas, legumes, saladas, arroz, feijão? Pra mim me parece ser bastante saudável, principalmente porque são só 15 dias, os outros 30 ele come da forma que quiser, sem depender da comida fora de casa.

      O meu namorado quando o conheci, comia carne também e há 6 anos é vegano ativista por minha influência. Vai ver o seu esposo precisa conhecer outra pessoa, que respeite as escolhas dele e principalmente saiba respeitar os animais. Torço para isso. :)

      Excluir
  20. Olá eliana!
    Já fui vegan e hoje não sou mais!
    Eu tenho uma duvida:
    Como fazer quando estamos doentes e precisamos de medicamentos que são testados em animais e muitos tem produtos animais em sua formula?
    Será que não seria hipocrisia usar tais produtos, já que não se tolera o sofrimento animal?
    Será que podemos desfrutar das coisas que que exploram animais quando nos convém?

    Você falou sobre ética, mas o leão não tem um pingo de ética ao comer sua presa viva.
    E as tribos, os esquimós e os perdidos em florestas, será que seria antiético para eles comerem animais?
    Não sou contra o veganismo mas me sinto confuso.
    Também não compactuo com opiniões de pessoas que consideram quem come carne de assassinos e malditos. Não estou dizendo que é o caso aqui, mas já vi muitas pessoas falarem assim.
    É triste pois na minha própria vida o veganismo virou religião e acabei ficando fanatico.
    Não sou debochado, mas de fato tenho muitas dúvidas e tenho uma amiga que é vegana e ficou triste por eu ter voltado a comer carne.
    Não quero perdela mas sinto que não posso me tornar vegano apenas para agradar alguém.
    Também existem muitos médicos que dizem que precisamos comer carne e outros não.
    Me sinto confuso. Voltei a comer carne pois estava me sentindo fraco.
    O que devo fazer?
    Me ajude, por favor!
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rômulo,

      Vamos ser sinceros: você nunca foi vegano. Seus questionamentos são primários demais. Nenhum vegano tem esses tipos de dúvida.

      Você se dizendo um ex-vegano com dúvidas banais como as suas é como uma pessoa se dizendo formada em matemática mas perguntando quanto é 2 + 2.

      Qualquer pessoa minimante informada a respeito de ética e veganismo, a ponto de ser tornar vegana, jamais teria dúvidas do tipo "veganos falam em ética mas o leão não tem um pingo de ética ao comer sua presa viva". Esse tipo de questionamento é tipico de carnista que pensa durante 5 min sobre veganismo, se acha o Sherlock Holmes da contradição ideológica e acha que os veganos são uns ingênuos bobinhos que não sabem o que defendem.

      Além disso, não acho que você realmente esteja interessado nas respostas. Você apenas achou que suas afirmações fantasiadas de perguntas evidenciariam incoerências veganas e, por isso, eu ficaria engasgada sem saber como te responder.

      Na remota possibilidade de você querer saber as respostas pras suas perguntas, sugiro FAQs para iniciantes. Eu tenho um FAQ na aba superior do meu blog: http://belezavegan.blogspot.com.br/p/blog-page_5.html e http://belezavegan.blogspot.com.br/2015/05/respostas-para-as-perguntas-mais.html.

      Existem blogs também, como o http://veganagente.consciencia.blog.br, que discutem fundamentos básicos. Leia eles.

      Me desculpe mas eu não tenho interesse em perder tempo numa discussão tão primária quanto a que você propôs. Numa boa, nessa altura da vida não vou perder tempo discutindo piadas do tipo "voltei a comer carne porque estava fraco".

      Estude sobre o veganismo e, quando (ou SE) você tiver uma pergunta realmente interessante que valha a pena ser discutida, aí me interessarei em conversar com você.

      Finalizando: sim, quem consome animais e seus derivados e não pretende virar vegano, mesmo sabendo exatamente o que está fazendo e estando ciente de todo o impacto causado à vida dos animais é um parasita no planeta, uma pessoa desprovida de ética.

      Excluir
  21. Me tornei vegetariana e meu namorado embarcou comigo nessa! Depois de tres meses vi uma certa incoerência em parar de comer carne e continuar abusando de outras formas os animais. Chorei muito uma tarde e decidi dar um basta! Me tornei vegana e conversei sobre isso com ele. Prontamente aconteceu a transição! Hoje cozinhamos juntos e realizamos receitas deliciosas, descobrimos juntos um novo mundo!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.